Capacete Cannondale Quick – Vale a pena?

Nem é preciso falar aqui na importância do capacete para a segurança do ciclista. Embora pareça que aquele “pedaço de isopor” não adianta de nada, e é um mero acessório para deixar a cabeça do ciclista mais esquisita, estatísticas do American Journal of Surgery provam o contrário:

“Dos 6.267 pacientes incluídos no estudo, 25,1% usavam capacetes. No geral, 52,4% tinham TCE grave e a taxa de mortalidade foi de 2,8%. Pilotos de bicicleta com capacete tiveram uma redução de 51% nas chances de TCE grave e 44% de redução na chance de mortalidade. O uso do capacete também reduziu as chances de fraturas faciais em 31%. Conclusão: O uso de capacete para ciclistas fornece proteção contra TCE grave, reduz as fraturas faciais e salva vidas mesmo após sofrer uma hemorragia intracraniana”.

Bicycle helmets work when it matters the most. Joseph, Bellal et al. (2016). The American Journal of Surgery , Volume 213 , Issue 2 , 413 – 417. Acessível em http://bit.ly/2UgOfcI.

Estando agora bem claro que devemos usar capacete sempre que formos pedalar (já que você não sabe quando vai cair, mas com certeza um dia cairá), vamos aos critérios de escolha.

A grande maioria dos capacetes está em conformidade com o padrão CPSC (há um adesivo atestando o padrão no interior do capacete). Mesmo capacetes comprados em supermercado que estejam em conformidade com esse padrão irão proteger o ciclista satisfatoriamente. O padrão CPSC é um requisito legal para qualquer capacete fabricado para o mercado dos EUA. Foi adotado pela Comissão de Segurança de Produtos de Consumo (CPSC) dos EUA e é obrigatório para todos os capacetes fabricados para venda nos EUA após 1999. Foi baseado nos padrões ASTM e Snell, que requerem a queda do capacete da altura de 2 metros, no teste de bigorna plana.

A diferença, então, levando em consideração que o capacete esteja em conformidade com o padrão CPSC, passa a ser o peso, o número de aberturas de ventilação e, é claro, a estética. Outras características também pesam, como a forma de ajuste e, em de capacetes de ponta como o Bontrager Blaze, a tecnologia de amortecimento – no caso a Wavecell – que é o que há de mais moderno (e caro) em termos de capacetes para bikes. Giro tem uma tecnologia um pouco mais antiga, a MIPS, que consiste em separar o forro e a casca do capacete com uma camada de baixa fricção, o que também reduz os traumas crânio-encefálicos.

O capacete Cannondale Quick (que não possui nenhuma das tecnologias extras de amortecimento como a wavecell  ou MIPS) pesa 297g para o tamanho S/M – 52 a 58cm – (é bem leve), possui 16 aberturas de ventilação de entrada (na frente, lateral e parte superior da cabeça) e 5 aberturas de saída (na parte posterior), o que significa que é um capacete bem ventilado. Seu preço é em torno de R$200,00.

Cannondale Quick - aberturas posteriores
Cannondale Quick – aberturas posteriores

O destaque, na minha opinião, é o sistema “Micro-Dial Fit w/ Ergo-Fit EVA occipital pad”. Esse sistema oferece um ajuste muito fino do aperto do capacete através de um dial, que aperta a parte plástica que segura o capacete na cabeça do ciclista. O dial é acolchoado com EVA, diferentemente de outros capacetes mais baratos que também possuem sistema semelhante (mas não tão sensível), o que acrescenta ainda mais conforto e permite que o capacete fique justinho na cabeça. As correias de fixação usam o tipo de engate rápido de nylon, tradicional.

Sistema Micro-Dial Fit
Sistema Micro-Dial Fit w/ Ergo-Fit EVA occipital pad, que ajuda muito no ajuste do capacete à cabeça.

O ponto negativo são as espumas – presas com velcro, o que facilita a limpeza – do capacete. Ele não possui espuma horizontal na parte em contato com a testa, o que deixa todo o suor escorrendo nos olhos. Realmente não entendo o que se passou na cabeça do designer para cometer tamanha falha.

Vista interna
Espumas originais substituídas pelas espumas Specialized, protegendo a testa e evitando suor nos olhos.

Isso, no entanto é solucionável, pois felizmente existem espumas avulsas compatíveis à venda. Ou o ciclista pode usar uma bandana. No meu caso, substituí as espumas originais por essas Specialized, e funcionam perfeitamente, mas é um gasto a mais.

Assim, para a sua faixa de preço, consideramos o Cannondale Quick um capacete bastante recomendável, principalmente no quesito conforto e proteção. Difícil errar comprando ele.

Embora esperemos que você nunca precise que o seu capacete cumpra a sua função e que nunca seja testado de verdade, finalizamos com a mesma recomendação: jamais saia para pedalar sem o capacete, ele pode salvar a sua vida.

2 comentários em “Capacete Cannondale Quick – Vale a pena?

Os comentários estão encerrados.

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: