Iniciando no Mountain Bike

O post de hoje é para ajudar você, que nunca pedalou em trilhas, mas tem vontade. Mountain bike é como qualquer outro esporte: quem nunca praticou acha lindo, mas duvida da própria capacidade de fazer tudo aquilo, sobreviver àquele ambiente inóspito…

Vamos combinar: você tem capacidade, sim. Além do mais, o aperfeiçoamento em qualquer esporte é gradativo –  Cesar Cielo já entrou numa piscina sem saber nadar, Fernando Alonso entrou num kart pela primeira vez, e Rubens Donizete levou suas quedinhas aprendendo a andar de bike.


Mas é claro que você pode, sim!


Antes de continuar, uma nota especial. Esse post é para leigos ou semi-leigos. Assim, há muitos links para aprofundamentos em assuntos que já foram abordados pelo blog. Tente ler tudo.

Então, obviamente estou supondo que você já sabe andar de bike. Talvez até já tenha uma e tenha vontade de ir para as trilhas. A questão é saber se sua bicicleta e equipamentos são adequados para você fazer isso com segurança e, se não são, o que está disponível no mercado para começar bem.

Existe, no mercado brasileiro, uma quantidade enorme de bicicletas para vender, algumas se dizem mountain bikes, sem ser, e você deve saber distingui-las das bikes que vão lhe levar e lhe trazer sem maiores problemas.

Primeiramente, se você for leigo total, recomendo ler esses posts:

As partes de uma mountain bike

As partes do quadro

Agora que você está minimamente familiarizado com as Mountain Bikes, vou definir o que, na minha concepção, seria o mínimo para participar de divertidos passeios como os que postamos no blog, ou para fazer algumas de nossas Trilhas Mapeadas.

1. O câmbio deve ser, pelo menos um Shimano Altus (Entenda mais sobre Câmbio Traseiro aqui).


A linha de câmbios traseiros Shimano para MTB. Os mais simples estão na parte superior, e vão melhorando da esquerda para a direita. O Altus é o mais simples, o XTR, o melhor.


A linha de câmbios traseiros SRAM para MTB. Os mais simples estão na parte superior, e vão melhorando da esquerda para a direita. O X4 é o mais simples, o XX, o melhor.


2. O garfo deve ter, pelo menos, 80mm de curso. Embora alguns de mola e elastômeros funcionem, o ideal para uma bike básica seria uma suspensão hidráulica, como a RST Gila ou a Suntour XCM V3 (são apenas exemplos). Entenda mais sobre suspensões aqui.

3. Os freios podem ser do tipo Vbrake. Discos mecânicos funcionam melhor. Discos hidráulicos são o ideal. Entenda mais sobre freios aqui.

Isso posto, vamos ao orçamento. Claro, você paga pelo que está levando. As mountain bikes com um mínimo de decência para trilhas custam em torno de R$ 1.400,00 até 1.900,00. Parece muito? Mais um post para você ler: Minha primeira bike. Se você está com preguiça de ler – é mesmo muita coisa, muitos links – esse, pelo menos, é obrigatório.

Fizemos um pequeno comparativo sobre algumas poucas bikes, e organizamos na tabela a seguir. O custo x benefício é opinião do blog, e os componentes podem ser alterados pelos fabricantes sem aviso prévio. Existem outras; os preços são variados em função dos componentes e marca. Se estiver em dúvida e quiser nossa opinião, escreva um email para o blog ou poste um comentário no final deste post que tentaremos ajudar


Comparativo ente 5 bikes à venda no Brasil.
Segundo avaliação do 5 seria o melhor e 1 seria o pior custo – benefício.


Após comprar a sua bike, você ainda vai ter que investir algum dinheiro em equipamentos sem os quais você não deve pedalar. Lembre-se: em trilhas não há borracharias, oficinas, lanchonetes. O vestuário também deve ser adequado.

Vamos lá:

Roupas: Você deve adquirir uma bermuda (com forro acolchoado) ou uma calça com forro idem, e uma camisa de ciclista. Prefiro calças e camisas de manga longa que protegem do sol.

O forro acolchoado é essencial. Se encontrar, procure uma com forro Coolmax, de ótima qualidade.

Camisas de ciclistas tem bolsos bem acessíveis na parte de trás , zipers e em geral são confeccionadas em tecidos como Tec-Dry ou Dy-Fit, marcas que prometem ventilar bem e não reter o suor.

Luvas não são bobagem. Elas diminuem a dormência da mão e protegem contra espinhos, urtigas e as tão temidas quedas. Prefiro as de dedo fechado, mas é uma questão pessoal. Saiba mais sobre luvas aqui!

Você pode pedalar de tênis, sim. Use um tênis velho (às vezes tem muita lama nas trilhas) mas que não se desmanche no caminho.

Você precisará levar água. Pelo menos uma garrafinha (que se chama caramanhola). Ela vai presa num suporte na bike – se não tiver, você terá que adquiri-lo, também, mas é barato. Prefira as térmicas. Se o orçamento não estiver muito apertado, considere uma mochila de hidratação. Saiba mais sobre mochilas de hidratação e carmanholas aqui.

 É lógico que você vai precisar de um capacete. Jamais saia de casa sem ele – nem para ir à padaria da esquina. É um equipamento fundamental. Seu preço varia de 35,00 a 600,00. Um bom capacete básico pode ser comprado por R$ 80 a 120,00. Gosto do Giro Indicator e do Prowell. Saiba mais sobre capacetes aqui.

 A última coisa – por enquanto – são os equipamentos extras. Se você for pedalar à noite, compre luzes de sinalização (vermelha atrás e branca na frente). As luzes brancas de sinalização não são faróis. Só servem para você ser visto. Se pretende fazer trilhas noturnas, compre um bom farol, de no mínimo 600 lumens.

Leve um kit de remendo (aprenda aqui a consertar um pneu furado), uma câmara de ar de reserva e uma bombinha portátil. Leve também uma multiferramenta.

 Não esqueça, também,  de levar algo para comer. Géis, barras de cereal, sanduíche, para trilhas curtas qualquer coisa vale. Comece com uma trilha fácil como essa aqui.

A trilha da Lagoa de Alcaçuz, em Pirangi é muito fácil, também. São 18,8 km, metade dos quais pela Rota do Sol, em asfalto.


Caminho da Trilha de Alcaçuz (Google Earth)


Lembre-se sempre: não vá sozinho para a trilha. Nem sempre há sinal de celular, e numa necessidade sempre é bom ter amigos por perto. Grupos muito grandes tendem a ser heterogêneos em termos de condicionamento físico e velocidade – no início, procure ir com grupos pequenos, de quatro ou cinco pessoas. Trilhas organizadas por empresas sérias e profissionais em geral são garantia de mais segurança, tranquilidade e de alguém que entenda de mecânica por perto, no caso de algum problema. Mas não ultrapasse seus limites, físicos e psicológicos. Quem sabe deles é você.


Posts Relacionados:

Posts sobre trilhas

Trilhas Mapeadas


Anúncios

Publicado em 25/05/2012, em Conheça sua Bike, Técnica, Trilhas e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 132 Comentários.

  1. Alexandre Suassuna

    Boas bikes, basta uma pesquisa e escolher uma em que caiba no orçamento e ao ciclista também.
    Vi que a minha se deu bem (elite 2.4), mas do ano 2011, basta mudar os freios e a suspensão, o resto continua a mesma e por ora me satisfazendo, pois pratico o esporte como lazer.

    • Isso, Alexandre. Dependendo do que o ciclista vai fazer a bike básica resolve bem demais. Existem até bikes mais baratas que essas (inclusive sempre dá pra comprar uma dessas usadas por um bom preço), mas escolhemos algumas que representam bem a categoria e que tendem a dar poucos problemas. E o importante, como você diz (pedalo por lazer) é fazer a coisa por prazer e se divertir. Grande abraço, bons pedais e parabêns pela sua bike.

  2. Bom dia!.. estou ensaiando pra começar no montain bike e achei demais esse blog e principalmente esse post que me inspirou ainda mais a comprar logo minha bike. parabéns!

    Estou procurando uma bike pra comprar e vi as sugestões que vocês deram lá na tabela dos melhores custoxbeneficio. Porém, as caloi estão impossíveis de se achar. E as que estão em segundo e terceiro colocados respectivamente(Soul e GT), possuem suspensão da suntour, o que talvez não fosse indicado para mim, conforme eu li no artigo do comparativo das suspensões, pois peso 92kg.

    Quero uma bike para passear pela cidade e fazer trilhas leves, sem ter dor de cabeça com quebras ou coisas desregulando toda hora. na faixa de 1500, 1600, um pouco mais, um pouco menos…. será que eu encontro algo adequado pra mim?

    fiz um bikefit e o tamanho de quadro sugerido seria de 20,5″.
    tenho 1,87cm e 92kg.(c/ braços e pernas compridas, rss)

    agradeço muuuito se vocês puderem me dar uma luz!!!
    valeuu!!!

    • Oi Rogério! Muito legal você estar começando no mtb!
      Acho que para trilhas leves e uso urbano a Soul ou a GT vão servir bem. A questão do garfo, nessas condições, não será tão relevante.
      Em relação ao Bike fit, o ideal é fazer com um profissional especializado, mas veja se um quadro 20 ou mesmo 19,5 não dará certo para você. Na minha opinião, um quadro um pouco menor sempre será melhor que um grande demais.
      Abração!

      • Obrigado pela resposta! (=

        Só abusando um pouco mais dos seus conhecimentos se voce me permite.

        Andei vendo mais bikes e achei as merida lindas!

        O que voce acha da Merida Matts 15-V (Ano 2012), achei ela na net por R$1850 reais, ou R$1665 à vista. No site da Merida usei o “bike comparison” e comparei 2 modelos: 15-V e a 20-V…Mas, pra falar a verdade, como não entendo de bikes, não sei qual a diferença entre elas.. rss.. será que vale a pena, o conjunto dessa bike é bom?
        abraço!!!

        • Rogério, não é de admirar que você não tenha encontrado a diferença: praticamente não existe. Tirando a suspensão (diferentes porém de mesmo nível), são praticamente a mesma Bike.
          É muito difícil opinar quanto a uma Bike de entrada especifica, ou qual a melhor. Todas são muito similares e seria preciso analisar uma serie de fatores como geometria, Bike fit, orçamento e intenção do ciclista a médio prazo. Em principio, porém, são bikes que servem ao iniciante, para trilhas leves, e que merecem ups futuros, se você assim o desejar. Qualquer coisa, se tiver mais duvida, não hesite em escrever!
          Grande abraço!

  3. Caro amigo, gostei do seu blog, espero que você me ajude: tenho 1,82 de altura e atualmente com 100 kg, qual bicicleta ideal para mim? Já pratiquei bastante trilhas, há muito tempo atrás, quero retornar a atividade mas não sei com qual bicicleta.

    • Oi Chicão!
      Rapaz, creio que você esta perguntando em termos de tamanho de quadro. Se for, só com seu peso e altura não dá pra responder: dê uma olhada nesse post: http://bit.ly/NG5Uib.
      Se você estiver em duvida em relação à marca e ao nível, você deve primeiramente definir um orçamento (sugiro começar a pensar em uma bike a partir de R$ 1.500,00, que seria o preço de uma mountain bike básica) e daí partir para a escolha de um modelo especifico. Não esqueça de incluir no orçamento os equipamentos básicos, como capacete, bermuda, camisa de ciclismo, luvas, caramanhola (Garrafinha) e suporte e piscas, se for pedalar à noite.
      Quando você tiver essas definições prévias escreva pra gente que ajudaremos você a escolher!
      Abração!

  4. David Martins

    Olá, estava lendo o post sobre MTB para iniciantes e me surgiu uma dúvida naquela tabela comparativa. Pelo que eu sei, e não é muito, a marca Scott é bem melhor que a Caloi. Porém o custo x benefício estipulado por notas a Caloi seria a melhor e a Scott a pior delas.

    Eu gostaria de saber:

    1º) se realmente é isso mesmo;

    2º) Não seria interessante de comprar uma Scott e dar certos upgrades ao longo do tempo invés de ter um Caloi e dar esses mesmo upgrades (supondo que a qualidade da Scott seja maior, até onde eu sei, e repito, não é muito).

    Agradeço desde já

    David

    • Oi David!

      Rapaz, para explicar o meu raciocínio, terei que escrever um pouco. Além do mais, tenha em mente que é a minha opinião, apenas (e de nós que fazemos o blog, pois o pensamento é essencialmente o mesmo), mas não somos donos da verdade.

      A análise, sob nosso ponto de vista está correta. Quando é feito o comparativo entre bikes temos de levar em consideração tudo, e não somente a marca. Diferentemente da comparação entre uma Audi A3 e um Ford Focus, por exemplo, onde o processo de pesquisa, desenvolvimento e construção é feito e coordenado pelas próprias fábricas, alguns modelos de bikes são manufaturadas de uma maneira curiosa.

      Quando se trata de bike top, acima de 10 mil reais, no Brasil, o processo é similar ao dos carros citados. Assim, grandes empresas, como Scott, Specialized, Trek, Merida, Giant e Cannondale, só para citar algumas, tem centros de pesquisa, testes e design para desenvolver os quadros e, no caso de full suspensions, os sistemas de amortecimento da balança traseira. Os componentes (de mountain bikes, que é o que estamos falando) são, via de regra, SRAM ou Shimano – os mesmos em qualquer bike, mudando apenas a linha.

      Em bikes de entrada, esse tipo de trabalho não compensa (de pesquisa e desenvolvimento), pelo baixo custo do produto. Assim, os quadros de entrada tem geometria básica, muitos são comprados diretamente de grandes fábricas na China. Aliás, mesmo quadros mais caros, das marcas citadas acima, não são feitos em fábricas próprias. Algumas grandes fábricas chinesas (a Giant, por exemplo, só para citar uma) fabricam quadros para diversas outras marcas top, a partir de um design, especificações, controle de qualidade e supervisão dessas marcas. Ou seja, são terceirizados, mas sob rígido controle.

      O fato é que nessas bikes de baixo custo os quadros não tem muita diferença em peso ou geometria, residindo o diferencial simplesmente no grafismo e na logomarca aplicada. Assim, o fato de ter pintado “Scott”, “Trek” ou “Caloi” não fará muita diferença. Lembrando que esses quadros básicos, em geral, não são fabricados por nenhuma dessas marcas (em fábrica própria), nem tem nenhum projeto mais elaborado.

      Levando em conta que os quadros seriam similares, podemos nos concentrar no resto. Analisando os componentes, podemos fazer uma diferenciação maior, já que a qualidade dos mesmos é conhecida, existindo até uma certa equivalência entre Shimano e Sram, nas suas diversas linhas. Então, como a Scott apresenta catraca de rosca, com uma relação ruim para MTB (14-28) e freios tipo Vbrake, necessariamente ela fica em último lugar na nossa avaliação.

      Claro, você sempre pode comprá-la e fazer um upgrade, mas isso implicaria em troca dos cubos e freios Vbrake para discos hidráulicos [399,00], dos trocadores de marcha (pois os dela são integrados, e teriam que ser trocados por individuais para acomodar os manetes dos freios hidráulicos) [89,00] e da catraca pelo cassete [60,00]. Como ela já tem um preço alto (cerca de 1750,00), contra os 1.800,00 da Caloi, que já vem com tudo isso, seria necessário gastar R$ 548,00 para que as bikes fiquem no mesmo nível, o que deixaria a Scott por 2.300,00. Não há sentido, convenhamos, pagar 500,00 por um adesivo (pois no fim das contas é isso).

      Algumas marcas e modelos de bike são fetiche. É legal ter a bike da marca sonhada. Mas nunca no mundo a Aspect 60 vai ter a mesma performance de uma Caloi Elite 2.4 (observe-se que não tem nada a ver com marca Caloi ou Scott – essa é uma análise isenta).

      Infelizmente, os altos custo de importação tornam a competição realmente desleal. As bikes tops sobrevivem, por não terem (ainda) similares nacionais, e além disso atingem outro público, mais exigente nos detalhes. A Caloi, sabiamente, viu esse mercado e, importando tudo (quadro, componentes e suspensões) da China via Zona Franca de Manaus consegue driblar os 35% de imposto de importação que incide sobre as bikes importadas de marcas que não as montam no Brasil. A origem, no fim, é a mesma.

      Se você não viu ainda, leia esse post que completa o raciocínio:
      https://dalamaaocaosbike.wordpress.com/2012/02/16/dicas-para-comprar-uma-bike-intermediaria/

      Grande abraço e valeu o questionamento! Espero ter esclarecido!

  5. Adorei tudo. Ainda estou aprendendo os nomes, as partes, as peças, as marcas ……… ufa. Estou assistindo muitos videos, lendo muitos artigos, visitando as lojas e com uma ideia fixa de no próximo ano viajar de bike. O décimo terceiro já está reservado para a aquisição de uma bike decente 🙂 e estou sentindo falta de encontrar mulheres nesse universo ciclista. Sabes de algum grupo, blog, contatos de mulheres que fazem trilhas? Muito obrigada e escreves muito bem;)

  6. Parabéns pelo blog. Estou querendo voltar a andar de bike e esta me ajudando muito ler as matérias. Você conhece a marca “First” ? Se puder, dá uma olhada nesse link e veja o que acha : [link editado]. Estou pensando em gastar mais ou menos isso numa bike e esta parece ter um bom custo/benefício. Só fiquei em dúvida com relação a marca.

  7. Ok. Tem alguma outra que você recomenda que esteja nessa faixa de preço e tenha caracteristicas semelhantes?

    • Fernando, embora um pouco mais caras, sugerimos, como ideal para começar no MTB, algo como a Soul SL 100 ou a GT Agressor 1.0.
      Se você achar alguma mais barata nas suas pesquisas nos mande o link por e-mail (dalamaaocaos2010@gmail.com) e avaliaremos para você.
      Lembre-se, no entanto, que se leva o que se está pagando. Assim, em geral, vale a pena gastar um pouco mais para não ter dor de cabeça no futuro, até porque o valor de revenda de Bikes usadas no Brasil é muito baixo, o que quase sempre significa mau negócio (para quem vende, bem entendido, que geralmente é o caso de quem compra e se arrepende).

  8. Ok, entendi. Já tinha lido aqui no blog a respeito da Soul e da Agressor. Vou pesquisar e depois passo pra você por e-mail se for o caso. Muito obrigado pelas dicas e parabéns pelo blog, está sendo muito útil pra mim.

  9. Caro amigo, bom dia.

    Tenho uma bike GTS M5, suspensão Alpha CL, aros 26 Vzan Maxx, com grupo Alívio 2012, naum rodei 100 km com ela ainda, e estou pensando em trocar na seguinte bike:

    Bike VZAN eagle carbon.
    Caixa de direçao eagle.
    Canote eagle carbon com abraçadeira.
    Suporte para caramanhola eagle carbon.
    KIT SLX shimano 30 velocidades freio a disco hidraulico completo.
    Suspensao RST airrl com trava do guidão.
    Aros 26 Vzan extreme
    Quadro 16,5 polegadas.
    Pedal shimano XT.
    VALOR R$ 4.300,00 (ela é usada, mas rodou menos que a minha, ou seja rodou uns 50 km apenas)

    Gostaria de saber o seguinte em relação a esta bike:

    1 – é de boa qualidade?
    2 – ela aguentaria trilhas?
    3 – é um bom investimento, pois estou trocando apenas pela estética da mesma?

    Grato.

    Wildner

    • Bom dia, Wildner! Primeiro, certamente você vai fazer um up maravilhoso. Temos certeza de que você vai notar uma diferença enorme. Embora o grupo Alivio 27 esteja apenas um degrau abaixo do SLX Dyna-Sys, o salto é muito grande. Muita diferença, também, você vai notar na suspensão (cremos que deve ser a RST First RL). Se a bike rodou tão pouco assim, deve estar em ótimo estado. Provavelmente você terá um conjunto muito mais leve.

      Em relação ao quadro VZAN Eagle, embora não tenha sido testado ainda pelo blog, as nossas considerações são: 1) A Vzan é uma empresa séria e confiável; 2) O quadro é esteticamente muito bonito 3) como lado negativo, nos consta que a garantia é de apenas 6 meses (podemos estar errados, mas como também você seria o segundo dono isso não faz diferença, pois a garantia em geral é intransferível) e 4) Provavelmente a Vzan adquire esses quadros selecionando num catálogo de alguma fábrica de quadros de fibra de carbono, na China ou Taiwan. Isso não faz dele um quadro ruim, de jeito nenhum, isso é importante dizer; mas seu preço é menor porque não há o cuidado ou gastos da empresa em pesquisa e desenvolvimento que quadros de carbono de outras marcas, como Trek, Specialized ou Scott, tem. 5)Não há comparação possível entre o VZan Eagle e o GTS M5 – o Vzan é infinitamente melhor.

      Parabéns pelo up.

      Grande abraço curta a nossa FanPage e fique ligado nas novidades, ok? http://www.facebook.com/pages/Da-Lama-ao-Caos/333903203299235.

      • Muito obrigado pelas considerações em relação as bikes, pois sou totalmente leigo neste assunto, naum uso muito a bike, pois comprei esta GTS M5, paguei R$ 2.500,00 (já faz uma ano) pois achei ela bonita (tinha o que eu queria – quadro bonito e freios a disco hidráulico) e ainda naum andei nem 100 km com ela, por isso quero trocar de bike, naum pela minha naum atender minhas necessidades, mas sim tendo uma bike nova, quero ver se me animo a pedalar, pois R$ 4.300,00 não pode ficar encostado na garagem, rsrsrs.

        • Kkkk… Adorei, Wildner! Crie coragem, rapaz! Bote essa danada pra andar!
          Uma sugestão: se junte a um grupo! É bem mais fácil de se organizar e dá mais estimulo!
          Grande abraço!

          • Ok, obrigado pela atenção dispensada.

            Ahhh, vou fechar o negócio ainda hoje, pois agora tenho um aval de uma pessoa que entende do assunto, apenas não queria jogar dinheiro fora, pois de bike não entendo nada AINDA, pois a partir de agora vou procurar estudar um pouco mais sobre o assunto para poder cuidar bem do meu novo investimento.

            Abraços.

  10. Primeiramente o blog é SENSACIONAL, muita informação, isso ajuda demais !
    Estou querendo comprar uma bike MTB (primeira bike) para fazer uso nos fins de semana em trilhas, gosto do difícil, do radical, e estou pensando em gastar 2.500,00 e gostaria de saber qual a melhor nesse valor…Obrigado por enquanto.

  11. Boa tarde (Aqui são 17:32) tenho 19 anos e 1,70 de altura. Sempre andei de bike, todas com um estilo mais para MTB, tinha bastante resistência física pela prática constante de esportes. Porém, estou parado tem dois anos, e comprei (sim, já comprei) uma bike PENSO que boazinha para uma nova iniciação no ramo de bikes [link editado pelo Da Lama ao Caos].

    A grana tá meio curta e eu optei por essa bike, queria uma caloi 10 e treinar speed, só que pensando bem. Todos tem um começo e resolvi começar com algo mais tranquilo e que não exija tanto do meu esforço físico, como passeios pela cidade, brincar um pouco. Como diria; recuperar um pouco o folego perdido nesses dois anos.

    Gostaria de saber se a qualidade da bike que comprei é boa para pedalar pela cidade, dando alguns sprints e talvez algumas “manobras”. Nem tantas, pois pretendo andar com dois amigos, no caso eles andam de skate.

    Além de me expressar, tirar uma dúvida; desabafei; Precisava urgentemente falar com pessoas que realmente entendam sobre o assunto e que possa me ajudar e proporcionar tranquilidade nas pedaladas.

    Se possível, alguém entrar em contato comigo para batermos um papo e tirar algumas dúvidas minhas e me dar algumas dicas de como fazer e quando fazer. – lover-craft@hotmail.com

    Agradeço muitíssimo desde já.

  12. Tenho acompanhado todos os comentarios pra ver se aprendo mais, e esta surtindo efeito, pois tenho pego muitos macetes que não vão me deixar na mão quando eu precisar.

  13. Boa tarde, em primeiro lugar gostaria de elogiar nao apenas o site, mas primcipalmente, a intenção e a dedicação de vcs em ajudar iniciantes como eu. Esta sendo muito proveitoso a leitura do site e fico muito grato. É notável o cuidado que vcs tem ao explicar tudo minuciosamente, com fotos e respostas aos comentários para ajudar ainda mais.
    Tenho uma duvida básica e tenho certeza que podem me ajudar. Tenho uma Caloi Elite 2.1 e um dia, numa bicicletaria, comentaram que minha catraca já estava muito gasta. Diante disso, pensei em substitui-la por um cassete (+cubo) mas não percebi a vantagem que eu teria. Entao, qual ou quais as vantagens do cassete em relação a catraca? Abs!

    • Oi Gustavo!

      CATRACA é o mecanismo de roda-livre (freewheel), que permite à roda girar livremente num sentido quando não pedalamos (por exemplo, numa descida), travando no outro, permitindo a tração da roda quando pedalamos. Não se aplica somente à da bicicleta, mas a qualquer mecanismo de catraca (por exemplo, a uma roleta, que só gira num sentido).
      CASSETE é o conjunto de pinhões traseiros. O nome deriva de uma corruptela de cogset, que em inglês define exatamente o conjunto (set) de pinhões (cog). Cada engrenagem traseira da bike, se nomeada corretamente, é chamada de pinhão (e não de “catracas”, como acabou sendo conhecida no popular). Pode-se dizer, no caso do cassete, que a “catraca” fica no cubo.
      A Shimano lançou, em 1978, o FreeHub (Hub = cubo), combinação da roda livre (freewheel) integrada com o cubo traseiro.
      O cassete veio depois, em 89, quando a Shimano criou o cogset fixo com as combinações pré-definidas. Daí surgiu o nome cassete. No fim, o conjunto acabou sendo conhecido como cassete, mesmo.
      Em resumo, na catraca o sistema de roda livre é integrado à mesma, e no sistema de cassete a roda livre é integrada ao cubo (e não às engrenagens, que são independentes). Assim, com o desgaste dos pinhões é possível trocar só o que está desgastado, ao invés do conjunto inteiro. Financeiramente não é realmente muita vantagem, pois se for pesquisar o preço de uma engrenagem do cassete – dependendo de qual linha – seria o preço de uma catraca 21V inteira. O sistema de cassete é mais leve e equipa transmissões de 24V para cima. Existem, também cassetes de 21V, mas não é a regra. Bikes melhores usam o sistema de cassete, embora algumas marcas importadas usem catracas em bikes de mais de 2.000,00 reais. Em bikes simples, não creio que faça muita diferença. Talvez o mecânico esteja somente querendo seu dinheiro :-), se foi ele quem sugeriu.
      Curta a nossa FanPage e fique ligado nas novidades, ok? http://www.facebook.com/pages/Da-Lama-ao-Caos/333903203299235. Abraços!

      Essa resposta tem informações preciosas do Alex SP, do Pedal.com.br.

  14. Bom dia!

    Li algumas matérias do seu blog e realmente fiquei impressionado com seu conhecimento.
    Ando de bike a 1 ano mais ou menos e já passei por alguns upgrades e dicas encontradas aqui no blog.
    As informações batem de forma muito precisa com as experiências que tive ao longo das minhas pedaladas e upgrades.

    Suas respostas em relação ao método de fabricação foram muito interessantes, bem como a elegância mesmo ao discordar com alguns comentários.

    Fui obrigado a passar aqui e deixar minha opinião pois está muito dificil encontrar blogs tão bem escritos e embasados!

    Agradeço muito sua força de vontade e continuarei acompanhando seu trabalho !

    Eduardo Bento

    • Eduardo, muito obrigado pelo seu depoimento. Manter um blog não é fácil – ainda mais o nosso, que é referência em informações, principalmente para q1uem pensa em adquirir a sua primeira bike e não entende nada do assunto.
      Dezenas de leitores do Brasil e de Portugal entram em contato conosco para saber que bike ou que componente adquirir. Isso nos enche de orgulho, e temos a sensação de que nosso trabalho está atingindo o objetivo – ajudar com isenção.
      Não esqueça de curtir nossa fanpage – é muito importante para nós: http://www.facebook.com/pages/Da-Lama-ao-Caos/333903203299235.
      Um grande abraço, e por favor continue divulgando o blog.

  15. Matheus Rocha

    Gostaria de saber se com essa bike consigo fazer algumas trilhas sem me preocupar com problemas na bike.

    Quadro Trust Freeride
    Suspensão RST Gila
    Aros vzan vmaxx
    Cubos shun feng
    Pneus CST Downhill Hawk
    Camaras Pirelli
    Catraca Shimano Altus
    Corrente KMC
    Coroa com Pedivela Shimano Altus Pedais aluminium
    Central Shimano
    Caixa de direção Neco
    Avanço Monaco
    Guidão Zoom
    Espaçadores KMC
    Cambio traseiro Shimano Altus
    Cambio dianteiro Shimano Tourney Freio Vbrake Logan
    Trocadores Shimano Altus

    E aí, com essa bike consigo dar algumas voltinhas?

    E o que acham de eu trocar a suspensão rst gila pela suspensão RST R-One? É uma boa eu comprar essa suspensão?

    • Matheus
      Nos parece que você quer fazer cross-country (XC). Então, esse setup está meio estranho.
      O quadro é de Freeride (bem pesado).
      O garfo, de XC.
      Os pneus de Downhill.
      Os freios, vbrake Logan, que não são bons nem para XC.
      Então lá vão as sugestões: Quadro Canadian Xterra. Barato e relativamente leve para XC (pelo menos deve ser bem mais leve que esse Trust FR)
      Pneus Kenda, dos mais simples, para XC (são bem baratinhos)
      Câmaras Kenda (Pirelli são péssimas)
      Vbrake Acera (freio é coisa muito importante… tem que ser um mínimo confiável)
      O garfo RST Gila, para XC, pode manter. Funciona em trilhas leves e intermediárias.
      A RST R-One é um garfo para DH. Se você pensa em fazer DH, o quadro tem que ser específico, e os componentes também. É essencial um freio a disco hidráulico, com rotores grandes (180mm ou maior). A relação de marchas também é específica para descer.
      DH é coisa séria, com riscos bem maiores que XC. Esse setup é inadequado para DH.
      Com quadro de FR e garfo de DH você terá uma bike pesada, que não servirá nem para DH, nem para FR nem para XC.
      Por favor, curta a nossa FanPage e fique ligado nas novidades, ok? http://www.facebook.com/pages/Da-Lama-ao-Caos/333903203299235. Abraços!

  16. Jose Vitor Martins

    Primeiramente, que blog fantástico! Conheci faz umas 3 horas e já estou maravilhado pela qualidade.
    Vamos ao mais óbvio, quero começar no MTB e estou com uma série de dúvidas! óóó, como não…

    Enfim, estou com uma orçamento de algo de no máximo R$2.000,00 e estou lendo e lendo. Até o momento, a bike “montada de fábrica” que faz mais sentido, é a GT Avalanche 3.0. É uma boa bike para começar? Tem alguma outra sugestão semelhante? Estava vendo as Soul também…

    Por outro lado, estava vendo uma bike montada em um bike center, que as specs são mais ou menos essas: Quadro Vivatec com pintura e proteção UV; Grupo completo Acera 27v; Suspa Suntour SR 100mm; por R$1890.00.
    A GT Avalanche 3.0 é melhor que essa?

    Um outro porém é que o único lugar que estou encontrando essa GT Avalanche para vender, é na [editado], porém, no seu nome, diz que é feminina(GTW). É isso mesmo? Tem diferença? Devo procurar uma “masculina”?

    Muito obrigado pela atenção.
    José Martins.

    • Oi José! Rapaz, muito obrigado pelos elogios. Trabalhamos para isso mesmo: fornecer informações objetivas a iniciantes e a quem já pedala, também, de forma completa e isenta. Ver que estamos acertando realmente é gratificante.
      Começando de trás para frente, a série GTW da GT traz um design voltado, realmente, para o público feminino. As proporções são diferentes. Para um mesmo tamanho, por exemplo M, o Top Tube Virtual da GT Avalanche é 571mm, enquanto que na GTW Avalanche é 538mm. Além do mais, respeitando conceitos de ergonomia, o quadro não é simplesmente “encolhido”; como as proporções são diferentes, se no tamanho L da GTW o TTV tem 573mm (bem próximo ao TTV da M GT), o seat tube da GT tamanho M tem 483mm contra 466 da GTW tamanho L. Como se vê, as proporções não batem, são designs distintos.
      Obviamente, preconceitos à parte (que eu acho besteira), nada impede de um homem adaptar-se perfeitamente a esta geometria. Mais uma vez o conceito de Bike Fit é soberano. Porém, em princípio, a geometria é projetada para adaptar-se melhor às proporções do corpo feminino. A Specialized tem um conceito similar, chamado de WSD (Women Specific Design).
      Em relação à montada, acho que a Soul SL 200, por preço bem similar, é muito mais bike, com setup melhor que essa Vivatec.
      Além do mais, esse quadro Vivatec, distribuído pela Vicini, ao nosso ver, tem um probleminha. O problema com a Vicini (ou melhor, com quadros Vicini) é o mesmo que acontece com a marca GTSM1. Ambas as marcas, nacionais, apropriaram-se de alguma forma de marcas de renome internacional (GTS e Vicini). A Vicini original é uma tradicional fabrica de Bikes em Cesena, Itália, fundada por Mario Vicini, tradicional ciclista do Giro D’Italia dos anos 30. Detalhe: a Vicini Italia fabrica road bikes, não mountain bikes.
      Essa atitude depõe contra a qualidade do produto, e, de fato, temos relatos informais de um número de quebras maior que o normal dos quadros Vicini vendidos no Brasil. Obviamente, muitos os usam por anos sem o menor problema.
      O chato disso tudo é que o objetivo, claramente, é induzir o consumidor ao erro. Qualidade à parte, eu mesmo adquiri um GTSM1, quando voltei a pedalar em 2007, pensando estar adquirindo um produto de qualidade internacional :-). Embora não tenha me dado problemas, preferiria ter comprado o quadro com uma marca qualquer brasileira, mesmo. Me senti enganado.
      Se for para montar, fique com quadros Canadian, Mosso ou Da Bomb, todos de qualidade bem legal. Os Venzo também são bem robustos, mas, particularmente, acho ele um pouco pesado.
      Mas, na nossa opinião final, a SL200 ainda é a melhor opção, nesse valor.
      Não deixe de curtir a nossa FanPage e fique ligado nas novidades, ok? http://www.facebook.com/pages/Da-Lama-ao-Caos/333903203299235. Abração!

      • Jose Vitor Martins

        Mestre das bikes, obrigado pela resposta.

        Apenas o que não ficou claro… a Soul SL200 é considerada por vocês, superior à GT Avalanche 3.0?

        Estava vendo o site da Soul e lá diz que ela não utiliza Acera completo…
        “câmbio dianteiro Shimano Altus
        câmbio traseiro Shimano Acera 9v
        trocadores Shimano ST-EF65 – Easy Fire
        mesa/guidão alumínio oversize aheadset 31,8mm
        alavanca de freio Shimano ST-EF60
        freios Disco mecânico Shimano
        pedivela SHIMANO FC-M311 42/32/22”

        Enquanto a GT Avalanche 3.0 utiliza Acera e Alivo 24v. Sei que isso não é tudo também…

        Não seria a GT melhor?

        Obrigado novamente e desculpa por todas essas perguntas!
        Abração

        • Oi José. Talvez a resposta tenha ficado mesmo confusa – fui lá ver o que tinha escrito, hehe. A GT Avalanche 3.0 É MELHOR que a SL 200. Mas, nas considerações que fizemos, em princípio descartamos a GTW 3.0 justamente por ser uma GTW, ou seja, design específico para mulheres.
          Mas, se a geometria der certo para seu biotipo, não há nem o que discutir: a GTW 3.0 é melhor que a SL200.
          Também, se for uma GTA 3.0 (e não uma GTW), obviamente ela também será uma melhor escolha que a SL 200.
          Além disso, como disse num comentário anterior, eu detesto admitir, mas a GT agrega mais valor por ser importada. Em caso de venda, acaba sendo mais fácil e valorizada.
          Colocamos a SL200 como uma opção melhor à Vivatec, não à GT.
          Abração!

  17. Tarcizo Minuzzi

    Boa tarde! Pessoal estou comprando minha primeira bike, quero começar com trilhas leves e estradão! Pelo custo-benefício, estou pensando em comprar uma GT Avalanche 2.0 2013, o que acham? Alguém tem a Bike?
    Como sou iniciante, acho melhor comprar uma 26″ e depois, se eu identificar a necessidade, comprar uma 29″…

    Segue a bike -> http://www.gtbicycles.com/2013/bikes/mountain/trail/avalanche-2-0

  18. Amigo, primeiramente gostaria de parabenizá-lo pela isenção, paciência e sabedoria com que responde a todos em seu blog.
    Estou voltando ao mundo dos Bikers depois de vários anos parado, e estou montando uma bike básica para no início fazer uns passeios na terra e ir gradativamente acompanhando uns grupos aqui em Vitória, ES, em umas trilhas mais “ousadas”. Estou montando uma bike com quadro KHS Tempe, grupo X9 e rodas Shimano mt55. Falta comprar agora, além de pequenas coisas, os freios e a suspensão. Levando em consideração que não irei competir mas gosto de coisa de qualidade, quais dentre os equipamentos abaixo você me indicaria como o melhor custo-benefício?
    Freios: shimano Deore / Elixir 7/ Hayes Prime / Mowa Mx1
    Suspensão : manitou tower Milo / Rst firts milo ou Rock shox xc28 mgtk todas com 100mm.
    Agradeço antecipadamente.

    • Olá, Antonini!
      Obrigado pelos elogios ao blog! O setup da sua bike está bem legal. Em relação aos comopnentes que você ainda vai instalar, vamos lá:
      Garfo: Eu iria de Manitou Tower Pro (a Manitou Tower Expert é bem mais pesada); a diferença entre as duas é a mola; na Pro é a MARS, na Expert é a ACT. O acionamento da ACT promete ser mais suave (não testamos), ao custo de 200g a mais. A RST First, bom garfo, não tem a leitura do terreno tão boa quanto das Manitou (mas é muito boa, também), e é mais pesada. A RS XC28 é um garfo hidráulico, não dá para comparar com os pneumáticos citados.
      Os freios Deore são muito bons. Useio-os por anos, nada tenho a reclamar: bom acionamento e modulação, excelente frenagem. A razão de preferir os Shimano em relação aos Hayes ou Avid é o fluido: o óleo mineral é bem menos corrosivo que o fluido DOT, usado nos outros, e torna a manutenção menos complicada, embora oficinas especializadas não tenham nenhum problema com um ou outro na hora da substituição. O Mowa Mx1, que também usa fluido DOT, eu não conheço. Por outro lado, o fluido DOT é menos sensível a variações de temperatura (freios aquecem quando muito exigidos) e o óleo mineral tende a perder a eficiência em situações extremas (que não creio que seja o caso para usuários recreacionais).
      Curta a nossa FanPage e fique ligado nas novidades, ok? http://www.facebook.com/pages/Da-Lama-ao-Caos/333903203299235. Abração!

  19. Juliano Spada

    Bom dia galera do DLAC, parabéns pelo blog, muito bom e esclarecedor.
    Quero iniciar nas trilhas, já dei umas boas voltas com uma bike de um amigo e curti, agora vou comprar a minha e estou na duvida, vi umas opções: GT AVALANCHE 4.0 R$ 2000,00 ,GT AVALANCHE 2.0 R$ 2990,00, MERIDA TFS 20 R$ 2690,00, MERIDA TFS 40 R$ 2290,00 e GT AGRESSOR 1.0 R$ 2000,00, e também via a opção em outra loja de montar uma totem com garfo spinner 300 e grupo shimano alivio que vai ficar em torno de 2000,00. Pelo que li no site a que eu montaria ficaria com peças melhores. Minha dúvida, o que fazer? Montar é uma boa?
    Obrigado.

    • Oi Juliano!
      Das citadas, a melhor é a Avalanche 2.0 (que achamos por R$ 2.690,00 na net). Para avaliar a montada precisávamos ver a configuração completa, mas o quadro Totem não foi avaliado pelo Blog ainda, e assim fica difícil opinar. A suspensão Spinner 300 é muito fraca, uma das mais fracas entre as básicas.O grupo Shimano Alivio (24 ou 27?) é um bom grupo, para trilhas intermediárias.
      Na nossa opinião, ir na Avalanche 2.0 é um tiro mais certo.
      Curta a nossa FanPage e fique ligado nas novidades, ok? http://www.facebook.com/pages/Da-Lama-ao-Caos/333903203299235. Abração!

      • Juliano Spada

        O grupo Shimano alivio 27. Na verdade ele tem opções lá tanto de quadro como das demais peças. Quero gastar em torno de 2000,00 a 2500,00. Pelo que andei lendo no blog vocês consideram o quadro a suspensão e o grupo o principal né!? Estou na dúvida se compro uma pronta ou monto, até pelo prazer da função de montar.
        Outra coisa, aro 26 ou 29? Não andei com 29 ainda.

        • O prazer de montar, para entusiastas, é inegável. Além disso, você passa a conhecer mais intimamente a sua magrela, ainda mais se contar com um mecânico de confiança que lhe permita acompanhar a montagem em si.
          Eu montei a minha primeira mountain bike – na minha segunda geração de biker, em 2007 – e foi uma experiência deliciosa. Como não era muito experiente, porém, e apesar das pesquisas, acabei montando duas bikes :-), pois com os meses fui trocando, trocando, trocando… enfim, não me arrependo, mas é quase certo que sai mais caro. A garantia, para quem se preocupa com isso, também é um problema.
          Antecipando a sua nova pergunta, que acabei de ver, se aro 26 ou 29, é um assunto sem fim. Leia esse post (https://dalamaaocaosbike.wordpress.com/2012/03/05/26-ou-29-ainda-a-duvida/), os posts relacionados que estão no finalzinho e os comentários a respeito, que deve lhe ajudar a tirar as suas conclusões.
          Esqueci de mencionar: realmente consideramos quadro, suspensão e grupo elementos-chave na escolha. Em bikes básicas e intermediárias consideramos até a suspensão e o grupo mais importantes que o quadro, no sentido de que faz mais diferença no pedalar, e considerando que o quadro está no tamanho adequado e ajustado ao biótipo do ciclista.
          Abração!

  20. Professor, muito obrigado pelos esclarecimentos. Só gostaria que me ajudasse a entender o seu ultimo comentário na resposta que me deu anteriormente. ” A RS XC28 é um garfo hidráulico, não dá para comparar com os pneumáticos citados”
    Quer dizer que é bem melhor? É pior ou somente tem características diferentes?
    Quanto a escolha dos freios acho que vou de shimano mesmo. E o meu mecanico sou eu mesmo. Sempre montei de tudo. Monto minhas motos, aeromodelos etc.. Tenho verdadeiro prazer!!

    Obrigado novamente.

    Abração.

  21. Gabriel Pizzi

    Boa noite!
    Estou pesquisando uma MTB para comprar, será usada para fazer trilhas leves/ médias com uma frequência de +/- 2 vezes por mês.
    Sou iniciante em trilhas, ou seja não entendo muito, tenho várias duvidas, e para ajudar já li várias matérias do site.
    Gostaria de saber sobre as biciletas da FIRST, se elas são boas, se o quadro dela aguenta o tranco msm, gostei do modelo abaixo:
    [link editado]
    Muito obrigado!

    • Oi Gabriel!
      Nada temos contra a marca First, apenas o blog não a testou ainda, e é pouco difundida por aqui, então são poucas as informações que temos e assim não podemos opinar sobre ele.
      Deixando o quadro à parte, a bike do link, no entanto, não nos parece uma boa opção. A Soul SL100, por um pouco mais, nos parece uma escolha mais acertada.
      Curta a nossa FanPage e fique ligado nas novidades, ok? http://www.facebook.com/pages/Da-Lama-ao-Caos/333903203299235. Abração!

  22. Boa noite!
    Eu de novo….rs
    Achei em uma loja a Bicicleta GT Aggressor 1.0 – Quadro em Aluminio – Com Freio a Disco – 24V – Aro 26, com essa configuração:
    Quadro: NEW 6061-T6 Aluminum Triple Triangle™ Frame, w/ Replaceable Derailleur Hanger, Disc Brake Mounts, and 1 1/8″ Head Tube
    Garfo: SR Suntour XCT w/ 80mm Travel, QR
    Pedivela: Suntour XCC T102 42/34/24T
    Pedais: GT Slim Line Flat Pedal
    Câmbio Dianteiro: Shimano TX51
    Câmbio Traseiro: Shimano Acera, RD-M360
    Alavanca de Câmbio: Shimano EF-51 EZ Fire Plus, 8 Speed
    Cassete: Shimano CS-HG31-8, 11-32T, 8-Speed Cassette
    Corrente: KMC Z72
    Aro: Alex Ace 24, Double Wall, 32H
    Pneu Dianteiro: All Terrain 26X2.00″
    Pneu Traseiro: All Terrain 26X2.00″
    Cubo Dianteiro: Alloy Disc QR
    Cubo Traseiro: Alloy Cassette Disc QR
    Raios: 14G Stainless
    Bocais do Aro: Brass
    Freios Dianteiros: Promax Forged Caliper Cable Disc W/ 160mm Rotor
    Freios Traseiros: Promax Forged Caliper Cable Disc W/ 160mm Rotor
    Alavanca de Freios: Shimano EF-51
    Guidão: MTB Riser Bar
    Mesa: Alloy Ahead
    Apertos: GT Wing W/ Waffle
    Caixa de Direção: 1 1/8″ Ahead
    Selim: GT MTB Saddle
    Canote: Alloy Micro Adjust
    Aperto fácil: Alloy QR
    Preço: R$1600,00

    Gostaria de saber se os quadros das bicicletas da GT são bons!?
    Tem diferença entre os quadros da GT Aggressor e GT Avalanche!? Se no futuro, conforme as peças forem apresentando desgaste, posso ir trocando por peças melhores, vai valer a pena ir fazendo um up grade, pois vou ter um quadro bom?
    Mais uma vez, muito obrigado!

  23. Ok, muito obrigado, pela ajuda!

  24. Olá amigos alguém poderia me ajudar com a compra de um quadro de mtb??? Tenho dúvida em alguns modelos!!! Obrigado pela atenção!!!

  25. Bom dia, estou iniciando no ciclismo e quero saber saber qual a configuração adequada, para montar uma bike? Tenho 1,70m de altura, quero pedalar mais como exercício e passeio urbano. Qual seria a bike ideal e o valor para se montar uma boa bicicleta?

  26. OK, , Obrigada pela ajuda. A principio eu tinha pensado no aro 26 que imaginei ser o iniciante. Já li o link do tamanho e foi aí que deu problema: na minha cidade não existe quadro de tamanho 15, vou precisar encomendar. O vendedor sugeriu montar uma bike, mas tenho medo de comprar gato por lebre, ou seja, que encham a bike de coisas só pra cobrar mais caro. Queria uma referencia, já que não entendo muito.
    O link da Juliet é esse [editado]
    Agradeço a atenção de vocês e parabéns pelo blog. Achei bem esclarecedor.

  27. Gostaria de saber o que é melhor: montar uma bike ou comprar ela pronta. Me ajude a montar uma bike ideal! Gosto de subir e descer morros, e fazer xc com uns amigos e umas trilhas. Quero uma bike que seja leve! Me ajude a montar uma ideal para mim!

    • Geraldo, montar uma bike não é tarefa fácil. A nossa opinião é a seguinte: montar é legal, mas é meio que um exercício de tentativa e erro, o que às vezes significa a coisa sair cara e não sair do jeito que a gente quer. Hoje, se fosse montar uma bike, acho que daria certo, com a experiência que tenho… mas quando montei, acabei ficando com duas bikes :-).

      Resumindo, não sei se seria uma boa idéia para você, pois sendo você leigo, montar se torna complicado. É um processo divertido e que vai resultar em bastante conhecimento para você, mas a pesquisa é árdua e certamente a bike vai acabar saindo mais cara. Você tem que acrescentar custo de frete e montagem, a garantia é complicada ou inexistente e sempre há a possibilidade de comprar componentes errados por inexperiência.

      De qualquer forma, fica difícil “ajudar” a montar uma bike. É um processo onde são inúmeras as opções de componentes, então não é viável ao blog essa ajuda, sem termos a noção do que está disponível para você, ou de quanto você pode ou quer gastar. Sentimos muito.

      Sugerimos você escolher uma bike já montada, adequada às suas necessidades. É melhor.

      Abração!

  28. Éder, vou repetir aqui uma resposta, que dei ao Juliano há algum tempo:

    “Em geral quadros para XC tem limite máximo de 100 kg de peso do ciclista.
    Assim, aconselhamos fortemente entrar em contato com o fabricante ou distribuidor no Brasil perguntando sobre o limite de peso do ciclista para determinada marca e modelo.Lembramos que a quebra de um quadro na junção do head tube com o top tube e down tube pode ter consequências gravíssimas ou fatais. Tome cuidado!”

    Dito isto, Achei a bike sugerida bem cara. A marca HighOne é bem genérica. A Caloi Supra 10 é similar, tem mais nome, garantia melhor e preço equivalente, com frete grátis, na internet (em 10 ou 12X sem juros). É só procurar.

    A Soul Black Rain é outra equivalente à Caloi Supra 10, que consideramos, também, boa opção.

    A GT Agressor seria uma opção BEEEM melhor, mas é um pouquinho mais cara. Se você puder investir esse tanto a mais, vale a pena. Também tem na net, em 12X sem juros :-).

    A Easy Rider é uma bike estritamente urbana, então se você tem, mesmo de longe, a idéia de fazer trilhas leves, não é uma boa escolha.

    Se você gostou desta resposta, faça uma doação ao Da Lama ao Caos – Doe 5,00 ao DLAC Não há nenhuma obrigação, é claro; é um ato de reconhecimento voluntário pelo trabalho do blog – E curta a nossa FanPage ficando sempre em dia com as novidades, ok? Abraços!

  29. Acabei de comprar uma bike pra mim (caloi elite 2.4), agora minha esposa tbm quer uma, o que me dizem dessa caloi elite 2.4 para mulher? Poderia compra uma tamanho 16 para ela, apesar que o ideal seria uma 15. Algum indica algum modelo? ela é pequena (1,54m) e pelo bike fit virtual o quadro indicado seria 15,5.

    Afonso

    • Fala Afonso!
      A Caloi 2.4 é uma boa bike para iniciar no MTB. Ela saiu de linha no final de 2012, mas ainda dá para encontrar. Outra opções, mais ou menos no mesmo nível, seriam as novas Caloi Supra 2013, a Supra 20 ou a Supra 30. Como vantagem ambas tem 27V ao invés das 24 da Elite 2.4; por outro lado, a 2.4 tem freios hidráulicos e o das Supra é mecânico. Mas são ótimas bikes para começar no esporte.
      Quanto ao tamanho, recomendo pegar uma 15 ou 15,5, se for possível, porém, Caloi só tem no tamanho 16. Até dá para ela – vai depender do tamanho do top tube – se ela tiver o tronco (e braços) mais curtos ela vai ficar meio esticada e pode prejudicar o conforto. O ideal seria ela testar.
      Muito legal ela querer lhe acompanhar nos pedais! Não sei se você faz trilhas, mas se não faz, crie coragem e vamos lá!
      Grande abraço!
      Se você gostou desta resposta, faça uma doação ao Da Lama ao Caos – Doe 5,00 ao DLAC Não há nenhuma obrigação, é claro; é um ato de reconhecimento voluntário pelo trabalho do blog – E curta a nossa FanPage ficando sempre em dia com as novidades, ok?

      • O que me diz da GT Aggressor 3.0, esta bem barata e tem no tamanho pp, será que daria certo pra ela?

        • Acho a GT Aggressor 3.0 uma configuração muito fraquinha.
          A menos que seja só para passeios urbanos, não recomendo.
          Abração!

          • Na sua opinião essa Caloi Elite 2.4 tamanho 16 na cor azul ficaria muito fora do padrão feminino? Essa bicicleta esta saindo por 1614,00 numa promoção, um ótimo custo beneficio. Mais fico em duvida se seria uma boa bicicleta para mulher…

            • Problema algum, Afonso. Realmente há algumas bikes com design específicos para mulheres, mas creio que ela pode adaptar-se perfeitamente à Caloi Elite 2.4, que, aliás, é uma ótima bike para iniciantes. Compre sem medo.

  30. jose aluizio

    olá achei o blog muito informativo mas gostaria de saber aonde se encontra um curso de mecânica básica de bicicletas em vídeo aulas
    abraço

    • Oi Aluizio! Infelizmente também não temos essa informação. Se algum leitor souber, por favor comente aí.
      Por outro lado, se você souber inglês, tem muita coisa no YouTube.
      Da para aprender muito perturbando algum mecânico amigo, também! 😀
      Abração!

  31. Olá boa noite, gostaria de saber se consigo fazer trilhas leves com essa bike (Caloi 300 Sport)?
    E qual bike vc me recomenda com um preço até R$ 1.500, sendo que quero para passeios na cidade e trilhas leves….
    Obrigada pela atenção!

    • Oi Gabriella!
      A Caloi 300 Sport não é indicada para trilha, apenas para passeios urbanos leves.
      Você pode procurar a Caloi Supra 20 ou a Soul SL 100, por cerca de 1.700,00.
      Se o orçamento estiver apertado, você pode optar pela Caloi Supra 10 ou a Soul Black Rain – ambas são boas opções (mas as que citamos antes são melhores, rs), em torno de R$ 1.100,00.
      Escolha uma bike com 24 velocidades, quadro de alumínio. Se encontrar outras opções mande um email para dalamaaocaos2010@gmail.com com os links que daremos nossa opinião.
      Grande abraço e boa compra!

      Se você gostou desta resposta, faça uma doação ao Da Lama ao Caos – Doe 5,00 ao DLAC Não há nenhuma obrigação, é claro; é um ato de reconhecimento voluntário pelo trabalho do blog – E curta a nossa FanPage ficando sempre em dia com as novidades, ok? Abraços!

  32. Gostaria de saber sobre regulagem das marchas da Caloi HTX. Obrigado.

    • Oi Marcos!
      A regulagem das marchas da Caloi HTX é simples, e é feita da mesma forma que todos os câmbios de bicicleta: em principio, é feito o correto tensionamento do cabo e a regulagem dos parafusos limitadores. Se você não tem prática, qualquer oficina de bike faz.
      Por outro lado, não espere nem um acionamento perfeito nem uma regulagem duradoura: os componentes são muito básicos, e realmente nem o TZ-30 (cambio traseiro) nem os trocadores Revoshift tem boa performance.

      Se você gostou desta resposta, faça uma doação ao Da Lama ao Caos – Doe 5,00 ao DLAC Não há nenhuma obrigação, é claro; é um ato de reconhecimento voluntário pelo trabalho do blog – E curta a nossa FanPage ficando sempre em dia com as novidades, ok? Abraços!

  33. Jonas Alexandre

    Olá, boa noite!
    Primeiramente gostaria de parabenizar a galera do DLAC, hoje é meu primeiro acesso e curti muito todas as dicas!
    Tô querendo comprar uma bike para XC e gostaria de dicas de algumas bikes e onde comprá-las com melhores preços. Fico no aguardo, abraço!

  34. Bom tarde! Queria saber se essa bike é aconselhada para o MTB, e é nada pra o uso de profissional e sim iniciante. E quais acessórios seria mais adequado para a categoria. Segue o link: http://www.caloi.com.br/bikes/supra10linha2013.

  35. Olá, boa noite!
    Decidi comprar uma bike nova e aposentar a minha bike capenga que comprei de décima mão quando mudei para minha cidade atual a 2 anos…sem marchas, pneus carecas, empenados etc…
    Estou com duvida em qual bicicleta eu compro para me iniciar no MTB, minha idéia era uma bicicleta pra eu ir da faculdade/casa (muitas ruas de paralelepípedo e algumas subidas leves) e para fazer trilhas leves, outra utilidade que eu posso eventualmente fazer, é cicloturismo nas cidadas até 60 km daqui de Viçosa-MG, por isso olhei furação no quadro para futuro bagageiro…
    Gostaria de saber se você acha adequada essa bicicleta(custo/beneficio) para as atividades que descrevi, ela vem com pneu misto, caso eu anime com o tempo a fazer trilhas mais técnicas um pouco, eu compraria pneus reservas de MTB.
    Meu bike fit deu quadro 19,5″ e essa linha mosso odyssey tem quadro 20 e 18, escolher o 20 é o mais adequado?
    Li um artigo seu falando sobra as 29″, no meu caso seria melhor que uma 26″?

    Agradeço desde já se puder me ajudar nessas duvidas. Abraço e parábens pela sua pagina.

    segue o link:
    [link editado]

    • Fala Atílio!
      Em relação ao tamanho, pensando em conforto, prefiro sempre quadro menor. Mas de 19,5″ para 18″ é muita coisa, se você fez o bike Fit em casa refaça as medidas e veja quanto dá.
      Se permanecer 19,5, considere testar os dois tamanhos para ver a qual você se adapta melhor.
      Em relação à bike citada, eu acho que consideraria, também, uma Caloi Supra 20.
      Se o objetivo for Cicloturismo e sua cidade tiver um transito calmo, que não exija paradas constantes, talvez fosse o caso de considerar uma aro 29.
      Grande abraço.
      Se você gostou desta resposta, faça uma doação ao Da Lama ao Caos – Doe 5,00 ao DLAC Não há nenhuma obrigação, é claro; é um ato de reconhecimento voluntário pelo trabalho do blog – E curta a nossa FanPage ficando sempre em dia com as novidades, ok?

  36. Seria possível atualizar a planilha com indicações para o ano corrente? Gostaria de uma bike 29. Sou iniciante, será minha primeira bike. Estou em dúvida em qual modelo comprar até 3500,00. Se tiveres alguma sugestão eu lhe agradeço! Abraços!

    • Pablo, no seu orçamento, um bom custo x beneficio é a Caloi Elite 20 (cerca de 3000,00).
      Mas, se você puder gastar mais um pouquinho, vá de Elite 30 (3.999,00), que é bem melhor.
      Oportunamente atualizaremos o post.
      Abraços!

  37. Recentemente comprei a caloi supra 10 linha 2012. Estou querendo iniciar no Mountain Bike, e queria trocar alguns equipamentos sendo freio (lembrando que a linha 2012 é v-brake) e principalmente as aros e rodas. Queria sua ajuda para indicar tais equipamentos na bicicleta do nível shimano pra cima. Desde já obrigado!

    • Oi Luiz!
      Você está equivocado. Não existe a Caloi Supra 10 2012. As Supra 10-20-30 foram lançadas em 2013.
      Correção (pelo Luiz): A Caloi 10 2012 existe, sim. Foi lançada, pasmem, em 2013 :-D. Aqui está o link: http://www.caloi.com.br/bikes/supra10
      É mais uma surpresinha da Caloi, que lançou uma bike, em 2013, com o mesmo nome (Caloi Supra 10) e dois modelos diferentes, dizendo que uma é “modelo 2012”. O modelo lançado em março de 2012 é essa aqui: https://dalamaaocaosbike.wordpress.com/2012/04/30/a-nova-caloi-supra-2012. Claramente para enrolar o consumidor.
      Essa “Supra 10 2012” deve ser uma forma de desovar os restos que sobraram das 2011. O mesmo ela fez com a horripilante “Caloi 29”, montada com restos da também horripilante Caloi Two Niner, que era melhor.

      Graças a Deus a Caloi foi vendida hoje a um grupo canadense. Vamos ver se agora ela passa a ser mais profissional. Espero que melhorem o site, também.

      De qualquer forma, o conselho continua, e vejo que ela tem suporte para freios a disco. Só veja se os ups valerão a pena (financeiramente).
      Para fazer um upgrade razoável sugiro trocar o grupo para Shimano Acera 27 e colocar, pelo menos, freios a disco mecânicos (ANTES de comprar, verifique se o quadro e garfo tem os suportes para freios a disco, para a Supra 2011 eu realmente não lembro).
      Os Aros podem ser Vzan Strike Disc, raios inox genéricos e os cubos os do grupo mesmo.
      Mas faça as contas antes também. Pode valer mais a pena vender a sua e comprar, por exemplo, uma Supra 30 2013 em suaves prestações.
      Abração!

  38. Desculpa a insistência, mas ainda estou em dúvida. Só mais uma coisa, entre a elite 30 que me indicaste e a khs aguila 30vel, pelo conjunto oferecido você ainda indicaria a Elite?

    • Oi Pablo! Que insistência o que, rapaz!
      Enquanto tiver dúvida, pode perguntar, sem problemas.
      Ainda prefiro a Elite (detalhe: não sou fã de Caloi), porque acho o SRAM X7 melhor que o Deore e, principalmente, a Rock Shox XC muito melhor que a Suntour XCM. Cockpit (canote, mesa e guidon) Crank Brothers e freios Avid também são diferenciais. A Elite 30 é mesmo uma bike bem montada, sem dúvida.
      As gringas realmente tem o peso da marca, mas a KHS nem é uma marca assim, de renoooome…
      Na minha opinião, a Caloi é mais negócio. Além disso é uma bike bonita, e quem tem não tem reclamado.
      Abração!

  39. Valeu meu brother!!!

  40. Sexta estava tão animado para a tal trilha, chegando lá peguei a bicicleta e comecei a fazer o percurso, logo nos 20 minutos de trilha senti uma dor nas costas que havia acontecido uma semana antes no parque cidade em Brasília. Pensei na horas, não pode ser muito desgaste físico pois mal tinha cansado e pensei também que poderia ter sido a trilha, porém já havia andado de bicicleta em asfalto. Na minha opinião, poderia ser o tamanho da bicicleta que é 21, achei um pouco grande já que eu tenho 14 anos e 1,7 e pouquinho. Queria sua ajuda para esclarecer essa minha dúvida, imagino que você não seja médico mas pelo seu conhecimento no MTB poderia me ajudar. Desde já agradeço.

  41. Oi Luiz
    Realmente, 21 é um tamanho bem grande, para pessoas de 1,90 pra frente.
    Para você ter uma idéia, tenho 1,78 e uso uma 17,5″.
    A altura, por si só, não é um bom parâmetro para definir o tamanho da bike. O ideal é um bike fit. Veja aqui algo a respeito: https://dalamaaocaosbike.wordpress.com/2010/09/21/conhecendo-sua-bike-que-tamanho-deve-ter-minha-bike-atualizado/
    Mas, de fato, pode ser que o problema esteja aí (e dor lombar e quadro maior do que o indicado para a pessoa costumam andar juntos).
    Veja isso direitinho!
    Abração

  42. Realmente eu estava equivocado sobre o tamanho da bicicleta, pesquisei bastante sobre a bicicleta mas infelizmente muitos sites apresentam informações erradas sobre o tamanho. Como por exemplo, sua altura varia de tamanho a tamanho para cada polegada.

    • Como eu disse, a altura do ciclista não é um determinante no tamanho de quadro correto. Mais importantes são as proporções entre pernas, tórax e braço. Isso (e os ajustes) é determinado quando se faz um bom Bike Fit.

  43. Olá ! gostaria de uma indicação. Estou iniciando no pedal e tô meio em dúvida qual a melhor bike que devo comprar. No momento, pelo que pesquisei estou entre a Scott Scalle 960 e a Focus Black 2.0. Qual seria a melhor opção ? E mais: Será que não é muito equipamento pra pouco ciclista??? Obrigado e abraço.

  44. Boa tarde !!!
    Gostaria de tirar uma duvida, estou iniciando nas pedaladas e gostaria de saber se a bike que vou descrever é ma bike boa para um iniciante.
    Quadro GTS ,grupo Altus ,freio a disco mecânico Shimano ,suspensão 80mm mola(não lembro a marca).Valor R$1.400,00.
    Tem algum outro quadro que seria melhor no mesmo valor do GTS?

    • Olá Sidney.
      Veja só:
      Existe uma empresa aqui no Brasil que apropriou-se da marca GTS, com o nome de GTSM1 (da mesma forma que outra empresa apropriou-se da marca italiana Vicini).
      O problema destas marcas, nacionais, é que o objetivo, claramente, é induzir o consumidor ao erro.
      A Vicini original é uma tradicional fabrica de Bikes em Cesena, Itália, fundada por Mario Vicini, tradicional ciclista do Giro D’Italia dos anos 30. Detalhe: a Vicini Italia fabrica road bikes, não mountain bikes. A GTS é uma marca americana, que, com toda a probabilidade, teve o nome derivado das tradicionais GT (essas, ótimas bikes).
      Ou seja: a GTSM1 é a cópia da cópia.
      Quanto à GTS americana, não encontrei mais referências sobre ela, então não sei se ainda é fabricada.
      Essa atitude depõe contra a qualidade do produto, e, de fato, temos relatos informais de um número de quebras maior que o normal dos quadros Vicini vendidos no Brasil. Qualidade à parte, eu mesmo adquiri um GTSM1, quando voltei a pedalar em 2007, pensando estar adquirindo um produto de qualidade internacional :-). Afinal, o leigo sabe lá diferenciar GT de GTS de GTSm1 de GTK de GTi (sim, existem todas essas)? Embora não tenha me dado problemas, preferiria ter comprado o quadro com uma marca qualquer brasileira, mesmo. Me senti enganado. Obviamente, muitos os usam por anos sem o menor problema.
      Se for para montar, fique com quadros Canadian, Mosso ou Da Bomb, todos de qualidade bem legal. Os Venzo também são bem robustos, mas, particularmente, acho um pouco pesados.
      Em relação aos outros componentes, sugiro você tentar adquirir um grupo Acera (se não der, compre Altus mesmo, mas tenha em mente que el é bem limitado. Evite componentes Tourney [TX]) e um garfo ou RST Gila ou Suntour XCM, que são hidráulicos e de preço acessível.
      Abraços.

    • Bom dia!!!
      Obrigado pela dica,o grupo Altus é muito inferior ao Acera?
      Tem muita diferença de valor?
      Vou iniciar no pedal com passeios e trilhas leves vou ver também estes quadros que me indicou.
      Obrigado mesmo.

      • Boa tarde!!
        Na sexta a tarde comprei a bike e peguei no sábado, no domingo pela manhã já fui dar umas voltas.
        Agora vou comprar sapatilha e pedal, aquelas sapatilhas que parecem tenis comum são boas?
        Melhor comprar aquelas de velcro?
        Poderia dizer uma marca boa e com preço bom elas servem em qualquer pedal ou tem que trocar o taco?

        • Oi Sidney
          Compre uma sapatilhas para MTB. A Shimano tem bons modelos com preço em conta. Prefira de velcro: um cadarço desamarrado enganchando na pedivela não é algo muito agradável!
          O taco se adapta em qualquer sapatilhas pra MTB.
          E se ainda não comprou, vá de pedal Shimano M520 que é show de bola!

  45. Para uso iniciante o mecânico dá certo!

  46. Oi Ronaldo!
    Boa configuração. Mas gaste um pouquinho mais e troque os câmbios. Coloque Altus na dianteira e Acera na traseira.
    Esses Tourney são péssimos.
    Abração!

  47. Excelente post, parabéns !

    Comprei esta semana uma GT Aggressor 2.0 modelo 2014 e possui 21 marchas. Paguei R$ 1.800 por ela.

    Qual a opinião do blog sobre esta bike ?

    Obs.: só tive bicicleta antes na adolescência, tenho 32 anos e estou iniciando no mundo do ciclismo. Quero uma bike para pedalar em vários lugares da minha cidade e por horas.

    • Oi Fernando! Gosto das GTs, e a Aggressor 2.0 é uma boa bike, respeitadas as suas limitações.
      Para trilhas acho complicado a relação com 21V, mas para cidade dá bem. A questão de pedalar “por horas” vai depender mais das suas pernas do que da bike em si.
      Caso deseje fazer MTB, sugiro pensar num up de grupo para 24 (o modelo da GT Aggressor 2.0 2012 era 24V) ou mesmo 27V – nem fica tão caro assim.
      Grande abraço e bons pedais!

      • Ah, isso que eu queria saber. Dá pra levar ela em alguma assistência técnica e pedir pra trocar todo o equipamento para 24v. ?

        Posso também trocar o câmbio de Altus pra Acera ?

        Não vai ficar estranho para os padrões dela ?

  48. Excelente post, muito bom!

    Preciso de sua ajuda!!! Recentemente vendi minha Caloi Montana, 1ª bike… comprei no impulso. Não imaginei que iria gostar tanto… Moro em uma região montanhosa, cercada por picos e morros, no Circuito das Águas… e 21v não dá, haja perna! rs

    Na maior parte do tempo pedalo sozinha e no asfalto. Entrei no grupo de pedal daqui da cidade, andamos no máximo 1 ou 2 vezes por mês em trechos de terra e cascalho. Havia pesquisado junto a um colega algumas peças que atenderia melhor a este fim: Quadro Soul SL200 17’, grupo Acera 27v v-brake, mesa, canote e guidão da Tranz-x, suspensão Proshock…. só que não deu certo! =(

    O jeito seria comprar uma “pronta” mesmo… Mas as de 27v que encontrei vêm com freio a disco, só que queria v-brake. Cidade pequena, apenas 1 bicicletaria e dependendo da mesma… freio a disco é novidade e mecânico nem se atreve a mexer! rs
    Enfim, qual seria a mais indicada? Agora eu quero acertar na escolha da bike! rs

    • Oi Fernanda
      Permita-me discordar, mas se a bicicletaria daí não tem um mecânico que saiba mexer num freio a disco… você não tem bicicletaria na sua cidade.
      Freios a disco, em geral, dão muito pouca manutenção. Os mecânicos são muito simples; os hidráulicos precisam realmente de alguma experiência, mas é obrigação do mecânico saber consertar ou manter. Não há sentido algum em comprar uma MTB com Vbrake, a não ser se for para andar só na cidade.
      Sugiro uma Caloi Supra 30 ou uma Soul SL 200 ou uma GTAvalanche 2.0, todas com 27V.
      Tem muitas outras mais no mercado, mande link (para o email dalamaaocaos2010@gmail.com) e avaliaremos.

      • Sim, eu entendo… Só que meu uso seria mais “recreacional”. Quem sabe mais pra frente eu coloco um hidráulico… =)

        1) Mas entre Acera 27v e Alivio 27v (V-Brake)… Há muita diferença? Qual é o mais vantajoso?

        2) E sobre o quadro Mosso Odyssey, o que acha dele?! Meu quadro é 17′ mas o Mosso só tem pares… arredondo pra baixo?

        3) Suspensão RST Blaze 80mm.. Você recomenda? Pesada?! Tenho 58 kg… 80mm de curso já o suficiente?

        Desculpe tantas perguntas… É receio de fazer um mal negócio. Em todo caso, obrigada…!

        • Quanto aos freios, tranqüila! Entendo seu ponto de vista!
          1) em toda mudança de linha (Altus-Acera-Alivio-SLX-XT-XTR) há uma mudança significativa de performance e alguma redução de peso. Claro que o preço aumenta também, então você tem que avaliar o que você pode comprar e que vai ser suficiente para o que faz.
          2) gosto sim! Eu arredondaria para baixo. Isso nem sempre dá certo, mas eu prefiro uma bike um pouco menor, só que é uma opinião pessoal.
          3) todos esses garfos básicos pesam mais de 2kg. Eu gosto da RST, mas embora 80mm seja um curso razoável para XC eu acho 100mm, para aro 26″, um curso mais versátil. Eu ficaria com 80 se fosse para uma 29er.

          Quanto às perguntas, beleza!! A gente gosta de ajudar mesmo!

          Abração!

          • Como “adotei” o v-brake, a dúvida do grupo foi por conta dos freios… dizem que os da Alívio são superiores..Não sei se o Acera fica ruim… pois onde estou vendo a montagem, está em falta o Alívio.

            Em todo caso MUITO obrigada mesmo e pela paciência também!

  49. Primeiramente parabéns pela paciência e dedicação em responder á todos(são muitos,eu não aguentaria,rs).Li muitas matérias do blog,aprendi muitas coisas,mas ainda assim não achei o que queria.Quero uma bike para trilhas leves e mais uso urbano,mas quadro pequeno é bem difícil achar porque sou bem baixinha(1.50 e 42kg),rs.Poderia me dizer alguns modelos básicos e se é mais barato montar do que comprar?Pretendo gastar no máximo R$ 1300.
    Desde já agradeço muitíssimo.Abraços..

    • Oi Veronica!
      A primeira coisa que você deve fazer é ver qual o tamanho de quadro adequado para você. Dê uma lida aqui: https://dalamaaocaosbike.wordpress.com/2010/09/21/conhecendo-sua-bike-que-tamanho-deve-ter-minha-bike-atualizado/

      Em relação a montar ou comprar uma bike já pronta, a minha opinião é a seguinte: montar é legal, mas é meio que um exercício de tentativa e erro, o que às vezes significa a coisa sair bem mais cara e não sair do jeito que a gente quer. Hoje, se fosse montar uma bike, acho que daria certo, com a experiência que tenho… mas quando montei, acabei ficando com duas bikes.
      Resumindo, a não ser que você tenha muita experiência com escolha de componentes e mecânica, não acho uma boa idéia, pois pode acabar dando errado. É um processo divertido e que vai resultar em bastante conhecimento, mas a pesquisa é árdua e certamente a bike vai acabar saindo mais cara. Você tem que acrescentar custo de frete e montagem, a garantia é complicada ou inexistente e sempre há a possibilidade de comprar componentes errados por inexperiência.

      Nessa faixa de preço que você está indicando (em torno de 1300,00) você encontra a Caloi Supra 10, que não indico para mountain bike (nem mesmo trilhas leves), mas apenas para passeios urbanos. Para trilhas leves você pode começar com a Caloi Supra 20, que está em torno de 1700,00. Mas, se você é daquelas que gosta de divisão, tem lojas na internet que vendem em 10 ou 12 vezes sem juros e com frete gratis. Assim, o aumento na parcela não é tão grande e você pode comprar uma bike melhor.
      Outra coisa: com os mesmos componentes, dificilmente (quase impossível) você conseguirá montar uma bike mais barata do que uma já pronta.

      Grande abraço e desculpe a demora nas respostas. O negócio está cheio, aqui 😀

  50. Entendi… vou pela supra 20 mesmo.
    Só mais uma coisa. Fiz um bike fit na internet… impreciso, claro, mas já é alguma coisa aproximada… e deu 15′, mas a Caloi só dispões de números pares, como 16′. Vou ter problema com isso?

  51. Olá, fiz vários ups na bicicleta. Porém nas minhas últimas trilhas, me senti incomodado com uma coisa: as marchas que para mim são pouquíssimas. Estou pensando investir o grupo como o Acera ou trocar simplesmente a catraca por uma de 26v ou de 29v. Lembrando que minha bicicleta é a Caloi Supra 10, gostaria de saber se teria alguma complicação colocar 26 ou até mesmo 29v. E se fosse o caso de colocar um grupo completo, qual você indicaria com base no preço do Acera que se eu não me engano é 300,00.

    • Oi Luiz!
      Rapaz, você fez uma confusão danada. Não existe transmissão de 26 ou 29V. Isso é o tamanho do aro (da roda): 26″ ou 29″.
      Na transmissão, existem as opções de 21V (a sua), 24V, 27V e 30V (existe outras também, mas essas são as mais comuns).
      Todas as citadas tem um pedivela com 3 coroas. A de 21V tem 7 catracas, o de 24V tem 8, o de 27V tem 9 e o de 30V tem 10 catracas. Multiplicando o número de catracas pelo de coroas (3) você tem o número total de velocidades (ou marchas, como queira).
      Para trocar o número de marchas você terá de trocar o grupo inteiro (cubos, cassete, corrente, pedivela, câmbio dianteiro e traseiro e trocadores de marcha). Não importa o que digam, troque tudo, pois se trocar só o cassete, cubo traseiro e trocadores, por exemplo, não ficará bom.
      Um grupo Acera 27V 2013 completo com freios Vbrake custa em torno de R$ 550,00. Sei que você não precisa dos freios – a opção é tentar negociá-los com o vendedor ou com quem for instalar – mas, de qualquer forma, o valor não será muito abaixo dos R$ 500,00.
      Se você trocar o grupo todo não haverá nenhuma complicação, a sua bike terá 27V ao invés de 21 (com um grupo Acera, que é básico mas muito melhor que o Tourney que vem nela).

  52. achei muito bom ler os artigos, sou iniciante, comprei uma caloi supra 20, dá pra fazer trilhas com ela ou seu uso e mais estrada?

  53. Fantástico encontrar este blog e tanta dica boa para quem quer começar! Depois de ler muito, pesquisar e conversar com amigos que já pedalam, vou de Soul SL500, minha única experiência anterior era com as bicicletas de supermercado de 290 reais kkk. O blog está realmente de parabéns, estou lendo tudo e fascinado pelos depoimentos que vez ou outra aparecem nos comentários.

  1. Pingback: Referências para o Iniciante de Mountain Bike - Escola de Mountain Bike

%d blogueiros gostam disto: