Suplementação para o Pedal

Certos produtos podem, de fato, ajudar a melhorar a sua performance no ciclismo, corrida ou em outra atividade física qualquer. Em princípio, esses produtos (excluindo, naturalmente, a água) são um mix de carboidratos (em geral são várias substâncias que dão origem a glicose, que é o combustível de nossas células) e eletrólitos (sais), e o objetivo deles é simplesmente manter o nível de eletrólitos e de açúcar sanguíneo estáveis. Alguns produtos associam-se a substâncias energéticas, como a cafeína, ou a proteínas ou aminoácidos. A seguir, uma análise de alguns destes produtos e de quais efeitos eles provocam no organismo.

Água:

Ok, água não é um suplemento, mas este é o principal produto a ser ingerido se você pratica uma atividade física. A desidratação causa o comprometimento da performance, podendo levar a estágios graves, como o coma ou mesmo a morte. A ingestão de água durante o exercício deve ser constante, e não apenas quando o atleta sentir sede. Em provas ou treinos de longa duração é importante que o atleta leve seu próprio e suficiente suprimento de água, não dependendo de pontos de hidratação. Mochilas de hidratação são uma solução bastante interessante. Nunca saia para um pedal de até 2 horas com menos de 2L de água.


Gel Energético:

Os géis energéticos são, em sua quase totalidade, compostos de açúcar concentrado. A sua apresentação (em gel) promove uma absorção e digestão rápida e eficiente, tornando-se um potente aliado para suprir a demanda de glicose durante o exercício intenso. Alguns possuem antioxidantes como a vitamina C associados, como também algumas apresentações associam o gel a alguma quantidade de cafeína, o que pode promover, em certas circunstâncias, uma melhora transitória de performance.

;

Gel energético


Gel energético com 20 mg cafeína associada.


Barras de cereal:

Esses alimentos tem a vantagem de apresentar cereais integrais associados a frutas desidratadas, agregados sob a forma de barras, com algum tipo de açucar como elemento agregador. Compostas de de cereais como a aveia, centeio, cevada, milho, arroz e trigo, fornecem energia sob a forma de um alimento saudável. No entanto, a digestão complexa – e portanto demorada – de cereais integrais pode não ajudar muito em provas de curta duração, além de causar problemas estomacais e requerer grande quantidade de água – nem sempre disponível, quando do seu consumo. Assim, a ingestão de barra de cereais é desaconselhada durante o pedal. Se o objetivo não for emagrecimento ela pode servir como complemento alimentar, sendo consumida juntamente com outros nutrientes no pós-treino.

;

Barra de cereal tradicional


Barras de proteína:

As barras de proteínas foram desenvolvidas especificamente para serem consumidas por atletas durante provas de endurance, ou seja, de longa duração.Em geral são fabricadas com açúcares mais simples, sendo de fácil absorção e digestão e, obviamente, por proteínas (de 15 até 70g).Pela sua composição, em geral produzem sensação de saciedade maior do que a produzida pelos géis energéticos.Não podemos esquecer que a mastigação requer alguma atenção e tempo (diferentemente da ingestão de um gel, mais rápida), então deve ser usada nas provas em intervalos que permitam um consumo com maior tranquilidade. Associadas a carboidratos, na proporção de 3 de carboidratos para 1 de proteínas são um complemento pós-treino interessante para quem quer aumento de performance.


A barra de proteínas difere da barra de cereal tradicional por conter carboidratos de mais fácil absorção e alto percentual de proteínas na sua composição.


Energéticos:

Consumidos com frequência antes de provas de sprint, os Energéticos como Red Bull, Flying Horse, Burn e outros são, em princípio, uma associação de Taurina (que é um ácido orgânico, encontrado na bílis, e um dos aminoácidos não-essenciais mais abundantes do nosso organismo) e Cafeína. As bebidas energéticas não contém álcool e não devem ser consumidas associados a bebidas alcoólicas.

;

As populares bebidas energéticas nunca devem ser ingeridas com bebidas alcoólicas, mas podem dar um gás em provas mais rápidas ou no início de uma prova mais longa.


A Cafeína É encontrado em certas plantas e usado para o consumo em bebidas, na forma de infusão, como estimulante.Doses terapêuticas de cafeína estimulam o coração aumentando a sua capacidade de trabalho, produzindo também dilatação dos vasos periféricos.

A Taurina é usada em bebidas energéticas devido ao seu efeito desintoxicador, facilitando a excreção de substâncias que não são mais importantes para o corpo pelo fígado. Intensifica os efeitos da insulina, sendo responsável por um melhor funcionamento do metabolismo de glicose e aminoácidos.

A Cafeína, ingerida em excesso, pode provocar, em algumas pessoas, efeitos negativos como irritabilidade, ansiedade, agitação, dor de cabeça e insônia. Os portadores de arritmia cardíaca devem evitar até mesmo dosagens moderadas, ainda que eventuais, da substância. Altas doses de cafeína excitam demasiadamente o sistema nervoso central, inclusive os reflexos medulares, podendo ser letal. Não se conhece estudos científicos de diagnóstico de letalidade em doses superiores a 10 gramas ao dia. A ingestão freqüente pode causar insônia crônica.

O Red Bull, por exemplo, contém em uma lata de 250 ml 1g de taurina, 60 mg de glucuronolactona, 80 mg de cafeína e vitaminas do complexo B (B3, B5, B6 E B12).

;

BCAA:

BCAA é um acrônimo derivado da sua designação em inglês: Branched Chain Amino Acids. São aminoácidos (Leucina, Valina e Isoleucina) abundantes em carnes e que têm a característica de serem essenciais (Não produzidos pelo organismos, ou seja, têm que ser obtidos através da dieta).os BCAAs podem ser utilizados como substrato para síntese protéica e assim entram na construção dos músculos.

;

Estudos mostram que o BCAA pode ajudar a reduzir a fadiga muscular pós-exercicio.


Como durante a atividade física o corpo eventualmente consome a glicose existente na circulação sanguínea e passa a usar a proteína muscular para produzir energia. Para evitar a perda de massa magra (musculos), que não é interessante em nenhuma atividade física, a alimentação precisa ser composta de carboidratos, principalmente os de absorção lenta, e de aminoácidos diversos, inclusive os BCAA’s, que irão participar na síntese do tecido muscular. Pesquisas associaram o uso de BCAA à menor intensidade da fadiga muscular pós-exercício. Assim, o BCAA é um forte aliado à manutenção da massa muscular de atletas.

;

Maltodextrina:

É um carboidrato complexo proveniente do amido de milho, de absorção rápida e que fornece energia durante atividade física, podendo retardar a fadiga uma vez que proporciona a liberação gradual de glicose para o sangue, devendo, no entanto, ser ingerida durante toda a atividade. A maltodextrina contém polímeros de dextrose/glicose, que são compostos de açúcar unidos que são mais fáceis de serem assimilados e utilizados pelo corpo. Estes polímeros são metabolizados de forma lenta e constante, o que pode ajudar a sustentar os níveis de energia durante atividades que necessitam de resistência, como o ciclismo e a corrida.


A Maltodextrina ajuda a manter os níveis energéticos durante o exercício.


Nenhum desses produtos mencionados possui qualquer efeito benéfico se não estiver associado a um programa bem estruturado e bem acompanhado de treino. Infelizmente o uso de qualquer produto isoladamente não produzirá nenhuma melhoria na sua performance. Treino e disciplina são a chave. Produtos são apenas coadjuvantes.

Orientamos, sempre, que a escolha e consumo de suplementos deve ser orientada por um Nutricionista e um Endocrinologista com profundo conhecimento específico na área esportiva. Não escolha ou consuma suplementos pela sua cabeça, ou orientado por curiosos. Da mesma forma, você não deve praticar atividade física intensa sem que tenha consultado um cardiologista, que irá atestar a sua aptidão e sugerir a atividade e intensidade do exercício físico para você.

;

Posts Relacionados
Sobre Nutrição e Suplementos

Anúncios

Publicado em 16/05/2012, em Nutrição & Fitness e marcado como , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. Muito interessante o post. Lembrando que existem vários outros suplementos no mercado, principalmente se considerarmos os importados (maioria não aprovados pela ANVISA). Mas sem dúvida essas são as categorias mais importantes e comuns. Vale lembrar também que em atividades de maior intensidade e/ou duração a ingestão exclusiva de água pode não ser aconselhada, pois ao invés de hidratar pode causar um efeito contrário diluindo os eletrólitos e carboidratos (que no caso, já estariam em escassez). É sempre melhor se utilizada conjuntamente com géis, ou para diluição de isotônicos em pastilha ou pó.

  2. Júlio Cézar

    Gostaria de saber os riscos que esses produtos oferecem p/ atletas diabéticos:
    na parte renal e outras…

    • Júlio, infelizmente não podemos ajudar nesse ponto. Só um medico, que acompanhe o paciente diabético e conheça a sua história clínica, poderá dizer se alguma suplementação é necessária, adequada ou segura. Aliás, mesmo atletas hígidos (sem nenhuma patologia) devem fazer uso de suplementos SOMENTE se indicados por um nutricionista, médico ou ambos, de preferencia especialistas em acompanhamento de atletas.

%d blogueiros gostam disto: