Selante Joe’s No Flats Yellow Gel – Review – Atualizado 18/09/2011

Pois é, porque esse negócio de “Mata a cobra e mostra o pau” não tem nada a ver. Vai que a cobra fugiu? Tem que mostrar a cobra morta. E aí vai:

Em novembro de 2010, após a instalação do Joe’s No-Flats Yellow Gel, selante específico para ser aplicado em pneus com câmaras (a Joe’s No-Flats é líder também em soluções para pneus tubeless), fiz um post sobre o produto, que até o momento se mostrou plenamente satisfatório. Ou seja, eu não tinha notado nenhum furo até então, embora tivesse feito algumas trilhas em áreas espinhosas.

Passados quase 8 meses da instalação, decidi trocar a câmara e o selante, já que o investimento não seria tanto (R$ 39,00 por frasco de selante para duas rodas (240 mL), mais R$ 12,00 para duas câmaras standard, válvula Schrader).

Ao retirar a câmara do pneu uma surpresa. Nem um furinho só para testar o produto. Mas como furar câmara é fácil, confiram no vídeo abaixo o teste realizado pelo blog Da Lama ao Caos.

Vídeo by Sil

No vídeo a seguir, detalho o resultado do teste:

Vídeo by Sil

Não satisfeito, resolvi pegar a câmara restante e radicalizar. Foram feito 11 furos, como pode ser visto. O selante novamente funcionou com perfeição, tendo havido, naturalmente, uma maior perda de pressão, embora a câmara ainda tivesse condições de rodar. Podemos observar que comecei a girar a câmara aos 17 segundos no vídeo, e três segundos depois o ruído de ar saindo cessa, indicando a completa vedação dos 11 furos.

Vídeo by Sil

Essa perda de pressão se explica, pois o pneu não estava girando quando os furos foram feitos, condição primordial para o funcionamento do produto; além disso a presença do pneu, naturalmente, ajudaria a manter a pressão na câmara.

Então, o produto está aprovado.

Como tinha de colocar as novas câmaras e o selante, fiz um vídeo para detalhar o procedimento, na realidade muito simples.

Vídeo by Sil

Os tipos de válvula: à esquerda a Presta (bico fino), à direita a Schrader (bico grosso, igual a de pneu de automóvel).

Retire a roda da bike. Para começar, usando a chave de válvula que vem junto com o kit, retiramos o núcleo (miolo) da válvula – no caso é uma válvula Schrader, bico grosso, mas se fosse Presta, bico fino, também seria essencial retirar o miolo da válvula. Porém, embora existam, válvulas Presta com miolo removível são muito difíceis de achar. Então, se você possui uma válvula Presta comum (aquela que não dá para retirar o miolo), faça assim:

  1. Esvazie a câmara
  2. Retire um lado do pneu do aro
  3. Puxe um pouco a câmara de ar para fora, na posição oposta à válvula
  4. lime a ponta da válvula e retire a porca que segura o miolo.
  5. Cuidadosamente puxe o miolo para baixo e fique segurando-o através da borracha da câmara (o miolo fica dentro da câmara).
  6. Sem soltar o miolo, injete o selante (não esqueça de agitar o frasco antes. isso é MUITO importante).
  7. Após injetado o selante coloque de volta o miolo na válvula (de dentro para fora) e parafuse a porca de segurança.
  8. Recoloque a câmara e o pneu no aro.
  9. Encha o pneu.
  10. Após encher o pneu dê uma pequena martelada na válvula para que a porca eventualmente não saia em outra ocasião.

Supondo que a válvula é Schrader (bico grosso), e que você, usando a ferramenta apropriada (que vem com o selante), retirou o núcleo (miolo) da válvula, comece a injetar o selante, colocando o tubo de plástico transparente na válvula, apertando-a de forma que ela não entre no aro quando conectarmos o frasco de selante. Depois, é só apertar o frasco e fazer com que o selante passe para a câmara.

É importante a válvula estar posicionada na parte de baixo do pneu (mais perto do solo).

É preciso fazer alguma força no frasco para que o selante passe para a câmara.

De vez em quando ajuda tirar o frasco para que o selante passe para a câmara.

O frasco tem uma medida na metade (o conteúdo dá para as duas rodas); então, quando chegar na marca (veja a seta na imagem abaixo) retire o frasco, tampe-o, e repita o procedimento na outra roda.

Foto by Sil

Ao finalizar o processo é necessário recolocar o núcleo da válvula usando a mesma chave e inflar o pneu, de preferência com uma bomba de pé. Em seguida, gire o pneu por pelo menos dois ou três minutos para distribuir o selante por igual.

Bomba de pé Specialized

Repito aqui alguns cuidados essenciais para o uso do selante:

  • Não é bom deixar a bike encostada com a válvula para baixo, pois por gravidade o selante desce e pode entupir o bico.
  • Caso a câmara (ou o pneu, no caso de tubeless), por alguma razão, esvazie, evite enchê-la usando cartuchos de CO2. A Própria Joe’s explica que o CO2 dos cartuchos ressecará o selante bem rápido, anulando sua eficiência, e recomenda esta solução apenas para casos emergenciais. Avisa, ainda, que o CO2 injetado deverá ser substituído por ar atmosférico o mais rápido possível (eu, no entanto, trocaria a câmara e o selante).

Cartuchos de CO2 não devem ser usados, pois danificam o selante.

  • Mesmo sabendo que você esteve imune a furos, de quando em vez é bom esvaziar o pneu e re-encher, para liberar o bico e mexer tanto no selante como na câmara (contrair e expandir as paredes para não deixar o selante secar e corromper a câmara).
  • Como tudo na vida, o selante tem validade, e a câmara com selante terá uma vida útil menor. para evitar problemas longe de casa, uma vez a cada 6 ou 12 meses (no máximo!) eu trocaria a câmara com selante por uma nova.
  • Não sendo um método infalível, manda o bom senso carregar uma câmara de emergência com bomba. Não custa nada.

O vídeo da No-Flats, então, não é exagero.


Posts relacionados:
Os pneus 
No Flats II
Como trocar o pneu
Calibrar o pneu enquanto pedala

Anúncios

Publicado em 10/07/2011, em Reviews e marcado como , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 4 Comentários.

  1. câmara kenda: 220g selante yellow: 120g Total:340g e o incômodo do atrito rotacional entre o pneu e a câmara. Solução: http://www.youtube.com/watch?v=WRM7gq1fcoQ&feature=mfu_in_order&list=UL Uso esse sistema a anos e nunca…nunca deu nenhum problema. O melhor de tudo é que pesa no máximo 150g no total e se usa 30psi sem problemas, gerando mais conforto e tração. [Comentário transferido do Blogspot – Postado em 17/10/2011]

  2. Da Lama ao Caos

    Tubeless ou não é uma questão filosófica, para mim. Entendo quem usa e não discuto o assunto, mas já vi diversos problemas de pneus tubeless vazando selante (pneu, roda, válvula e selante apropriados para esse uso). No meu caso, nas trilhas onde ando, as coisas são difíceis. Entendo que o peso é maior, mas acho o sistema mais confiável. É como válvula Presta. Uso, mas acho uma merda. Mil vezes uma Schrader, que qualquer borracheiro conserta, troca núcleo e tal. Por outro lado, a câmara Kenda que compro pesa apenas 170g, pesada numa balança eletrônica Park Tools. Então vamos para 290g aí, contra as suas 150g. Quanto ao “atrito rotacional”… nunca ouvi falar disso, nem senti nada a respeito. Enfim, se existe, não chega a me incomodar. Ainda tem outra coisa: usando uma câmara Maxxis Ultralight o peso cai para 125g. Mas o principal, que nao lembrei quando postei a resposta ao seu comentário… E o preço da brincadeira Tubless? Para zelante + câmara, trocando a câmara, dá 52,00 reais por Bike. Tubless? Vai para 400,00. Se não tiver de trocar os pneus.[Comentário transferido do Blogspot – Postado em 17/10/2011]

  3. Pelo que pude entender a conversão de pneus comuns para tubeless é indicada para pneus com calibragens baixas, então pneus mais finos que tem calibragens altas, não podem ser convertidos para tubeless? Gostaria de fazer isso com o Maxxis Detonator 26X1.5, isto seria possível?

    • Claro, Karla. Você não entendeu direito: usando tubeless você pode usar calibragens bem baixas, se quiser, o que é interessante em algumas situações do mtb, mas pode usar a calibragem normal também, sem problemas. É possível usar pressões menores quando se deseja mais amortecimento no asfalto também, por exemplo. Quanto mais baixo só vai depender da pressão mínima que o pneu suporte.

%d blogueiros gostam disto: