Comprar uma bicicleta completa ou em componentes separados?

Essa é uma dúvida que assalta muita gente que quer começar a pedalar. Afinal, são tantas marcas, modelos e peças que o iniciante acaba se confundindo totalmente. E, convenhamos, para a maioria das pessoas 1.500 reais não se acha na esquina.

Então é preciso comparar bem para saber qual seria a primeira bicicleta ideal para XC, em trilhas leves e médias.

É comum as fábricas (que na verdade só fabricam o quadro da bicicleta – e nem sempre) fazerem um mix de grupos, como por exemplo usar o câmbio dianteiro, que não necessita de tanta precisão, de uma linha inferior (exemplo: cambio traseiro Acera e dianteiro Altus). Detesto isso, mas é uma forma de baixar o preço um pouco.

Uma bike de referência nesse valor é a Caloi Elite 2.4. Por 1.499,00 é uma bike decente, que serve muito bem a esses propósitos. Embora descrita no site da Caloi como “Modelo de alta performance para treinos, corridas de aventura e trilhas de final de semana. Vem equipada com conjunto de câmbio Shimano Acera e suspensão RST Capa”, considero isso um exagero. É uma (boa) bike para iniciar o pedal.

Caloi Elite 2.4

A ficha no site da Caloi é muito incompleta, não citando o modelo de nenhum dos componentes. Para fazer uma análise séria, não basta. Sabendo disto, alguns lojistas detalham a bike melhor. Resumidamente, ela é isso aqui:

Quadro: Aluminum 6061, Garfo: RST Capa T 7, Guidão: MTB curvo em alumínio (genérico), Suporte do guidão: (genérico) 120 mm, Manopla: (genérica), Pedivela: Shimano 175 mm 42x32x22 D (que linha?), Pedal: em alumínio com firma-pé (genérico), Freios: Shimano V-Brake (que linha?), Cubos dianteiro e traseiro: Shimano com Quick Release e guarda-pó (traseiro) – (que linha????), Aros: Vzan Aero com parede dupla 32 furos. Pneus: 26″x1,95 (que marca?), Canote do selim: em alumínio com suporte (genérico), Abraçadeira do selim: alumínio com Quick Release (genérica), Selim: performance (???), Sistema de câmbio: dianteiro Shimano (Shimano o que? Altus, Tourney?) e traseiro Shimano Acera 8 velocidades (Ah, enfim um modelo), Alavanca de câmbio (e freio) Shimano EZ-Fire Plus integrada.Corrente: Shimano – HG (HG o que?), Raios: em aço inoxidável (genéricos), Cassete: roda livre Shimano 8 velocidades (Acera?), Movimento central: Shimano blindado (só pode ser ponta quadrada que é o mais barato. Será Acera? Acho que não). Número de marchas: 24 velocidades.

Se considerarmos a opção de montar uma bike com peças separadas, temos de pensar em outras coisas.

Dá trabalho procurar as peças, seja em lojas físicas, seja na net. Há o frete e a montagem. Além disso o conjunto fica um pouco mais caro. Qual a vantagem, então?

Bom, a bike acaba ficando – na minha opinião – bem melhor. Tem a diversão de procurar os componentes – eu acho uma curtição – e a bike, além disso, fica com a sua cara. Custom total.

Um setup que eu acho legal é esse aqui:

O quadro é uma parte fundamental da bike. As geometrias são bem variáveis, e a principal medida é o top tube (tubo horizontal) – pois dependendo se é mais curto ou mais longo o ciclista ficará mais ou menos esticado sobre a bike, o que reflete em maior ou menor conforto. As variações são mínimas, até 30mm, mas acredite: fazem diferença. Então, antes de comprar faça um bike fit virtual para decidir o tamanho de quadro pra você. Dê uma olhadinha aqui.

Quadro Da Bomb Rapid
Fonte: http://www.dabombbike.com

Dentre os quadros básicos e desconsiderando o Caloi, já que a Elite 2.4 é uma primeira opção de bike já pronta, existe o Canadian, Proshock, Venzo ou Da Bomb. De todos considero o Da Bomb o melhor para o uso proposto, pois além de ser bonito e resistente tem uma geometria bem confortável.

A suspensão pode ser de vários tipos, (sugiro 100mm e não 80 – é um pouco mais versátil para XC) e as mais comuns para uma bike iniciante são as de mola (veja esse post). A desvantagem é que são mais pesadas e não amortecem tão bem, mas são muitíssimo melhores que um garfo rígido, com o qual seria quase impossível fazer uma trilha por leve que fosse. Das básicas gosto da RST Capa, Gila ou Omega e da Suntour XCR e XCM. Se você for pesado, as RST são melhores pois são mais duras; se for leve, a Suntour funciona melhor – é mais macia. Outra opção, ligeiramente mais cara, são as básicas da Proshock, que é nacional. A vantagem dela é que são levíssimas, com peso comparável às suspensões top de linha. Mas o funcionamento é o de mola mesmo, não é uma Brastemp – como qualquer básica.

Suntour XCM

RST Gila T8

Os componentes Shimano que consideramos razoáveis para uma bike de entrada são os da linha Acera (abaixo de Acera considero os componentes Shimano de linhas inferiores muito básicos, não recomendados para Mountain Bikes, embora muitas marcas – até famosas – os usem) . A linha Acera tem resistência razoável e boa precisão. Significa que uma vez regulado o câmbio, por exemplo, você não terá de regulá-lo a cada passeio, e que também é de se esperar que quando você acione o trocador a marcha seja passada. Isso parece óbvio, mas não é o que acontece com as linhas inferiores.

Grupo Acera 2010 (não está completo – faltam os cubos)

Fonte: Shimano

Acima de Acera existe a linha Alivio, que tem mais precisão e resistência. Acima da Alivio temos o Deore e assim vai. Para XC (Cross-country, uma modalidade de Mountain bike) recreacional, como pode ser seu caso, ou mesmo para um pedal urbano, a linha Acera funciona bem, e a Alivio seria o máximo indicado (senão o preço sobe muito).

Dito isso, vamos aos valores. Um quadro Da Bomb custa em torno de 480,00, talvez um pouco menos. Grupo Acera Vbrake, 350,00. Rodas Vzan Extreme + raios inox, uns 150,00. Suspensão básica, 200,00. Caixa de direção, mais uns 30,00. Selim, 50,00. Canote, mesa e guidon Trans-X (Marca chinesa bem legal; não é muito pesada nem muito cara), uns 150,00. Pneus e câmaras Kenda dos mais baratos, 80,00. Manoplas (os punhos, onde você segura o guidon) 20,00. Pedais de nylon, mais uns 20,00. Espaçadores de guidon, cabos de freio e conduítes para freio e marcha (os cabos de marcha vem com o grupo), mais uns 50,00. Mais 50,00 da montagem. Se for comprar pela net, considere o frete disso tudo – por transportadora ou PAC dos correios fica bem em conta.

Como é fácil de fazer a conta, fica pouco mais de 1.600,00, desconsiderando o frete. Mas tem uns detalhes… o grupo é Acera fechado (tudo Acera. Em bikes compradas prontas é comum fazerem um mix como disse, economizando em cubos, freios, cambio dianteiro e trocadores). O quadro Da Bomb é excelente. As outras coisas que sugeri são básicas, mas que não tendem a quebrar logo que se compra, e funcionam a contento.

A escolha, afinal, é sua. Se você quer comprar a bike e sair pedalando, é comprar montada. Se quer uma bike com a sua cara e com um pouco mais de qualidade, é pesquisar e montar.

O importante, no final, é pedalar.

Anúncios

Publicado em 28/04/2011, em O que eu acho. Adicione o link aos favoritos. 14 Comentários.

  1. Mauricio Andreoli

    Prezado Amigo,

    É uma baita satisfação encontrar seu site e, principalmente, este artigo.
    Por questões profissionais deixei de pedalar nos últimos 15 anos e, por apelo do meu caçula, estou estudando meu retorno.
    Como a globalização acelerou tudo, o mesmo aconteceu na evolução das bikes, equipamentos e acessórios e estou um tanto perdido. Daí minha felicidade em encontrar esse artigo, no qual vc relaciona objetivamente uma MTB recreacional (trilhas leves + uso urbano) que, no meu entendimento, atende bem meu propósito de retornar ao pedal e incentivar mais um adepto aos finais de semana.
    Venho estudando há algum tempo, observando opiniões dos foruns, mas quero ser o mais objetivo possível sem deixar a emoção tomar conta.
    Assim tem alguns detalhes para solucionar e gostaria da sua opinião:

    1- O pessoal das lojas insistem no Deore traseiro devido a “não pular e quebrar os raios” e Acera no dianteiro, preciso mesmo do Deore? Tava pensando em td Alivio e vi que vc fala em td Acera. Corro risco com Acera traseiro?

    2- Escutei que é melhor já comprar td acima e não ir fazendo up. Como estou retornando e terei um tempo de adaptação, penso ao contrário, pois essa configuração vai me atender por um bom tempo. Que acha?

    3- Valeria a pena uma Soul SL100 trocando apenas os cambios para grupo Acera ou até mesmo Alivio?

    Grande abraço e aguardo seus comentários

    • Opa Maurício! Que bom que vai voltar ao mountain Bike!!!!

      1- Isso é mito: tudo Alivio está ok! Tudo Acera seria o mínimo.

      2- Acho que você pode ir de Acera e se adaptar. Se der certo você faz logo um up de Bike! 🙂

      3- Tudo depende do que você pode ou quer gastar. A Soul SL100 lhe atende, sim, mas eu acho a SL200 uma melhor opção.

      Qualquer dúvida continue a nos perguntar!

      Abração!

  2. Mauricio Andreoli

    Primeiramente, obrigado pelas respostas!
    Considero sua sugestão da SL200 bastante interessante, até pelo custo dela que está dentro do que espero gastar (acerca de R$ 2.000,00) no momento.
    Por outro lado, me dá tempo de readaptação ao MTB, inclusive para remontar a oficina caseira e daí pra frente partir para a montagem das próximas.
    Abraço

  3. Olá…esse blog ainda está ativo?

    Estou em dúvidas sobre uma compra de uma bike.

    A rocky mountain VAPOR 2011.
    http://www.bikes.com/main+en+01_102+VAPOR.html?BIKE=969&CATID=1&SCATID=2&Y=2011

    Na minha cidade está por R$ 1.890,00. Se eu montar uma com as mesmas especificações ficaria mais caro ou quase o mesmo preço.

    O fato é que esse valor ultrapassa um pouco meu orçamento, mas dividindo em 10x aí num prejudica tanto…(rs)

    Eu gostaria de saber se essa bike vale a pena, sabendo que eu vou usá-la mais em aslfato (ruim) e trilhas bem leves (estradas de terra). O problema tb é que sou grande e tenho dificuldades de encontrar na minha cidade bikes com quadro 21′ (essa Rocky Mountain tem o quadro 20,5′)

    Meu bike fit deu:

    Cavalo: 93cm
    Tronco: 66cm
    Braço: 73cm

    Quadro: 20,59″

    Altura do selim: 82,12 cm

    Top tube efetivo + mesa: 73,5cm

    Valeu demais!!! Abs

    • Pelo amor de Deus, Waldney… “o blog ainda está ativo”…? Postei 4 vezes essa semana! Rsrsrs
      A Bike está ótima, muito adequada para o que você vai fazer. Pode comprar sem medo.

      • Foi mal…rsrsrs é que achei esse post no google e pela data tava muito antigo. E só depois que postei a pergunta que fui na home e vi que tava ativo…rsrsrs
        Em tempo, parabéns pelo blog! MUITO BOM!!!

  4. Marcus Vinícius da Costa

    Amigo, comecei a pedalar há pouco tempo, estou fazendo basicamente trilhas. Para montar a bike, usei um quadro MOB Stamina tamanho 16… achei o quadro muito bonito e tal, estou gostando bastante. Dizem que esse quadro é o mesmo dos Da Bomb, ou mesma fabricação, sei lá… Sabe me falar sobre a qualidade dele? Gostaria de saber porque to ficando viciado nisso, já quero trocar metade das peças, hehehe (tirando o quadro).
    Abraço e obrigado!

    • Oi Marcos! “Começou há pouco tempo… e fazendo basicamente trilhas“? Começou bem!!!!
      Vê só, não sabemos aqui confirmar essa informação, não. Às vezes isso é lenda urbana.
      Mas, na nossa opinião, se o quadro está adequado para você, você acha ele legal, se deu certo para o seu biotipo… porque se preocupar?
      Eu mesmo pedalei um bom tempo com um famigerado GTSM1 (não tenho do que falar dele, exceto o peso), passei para um Da Bomb Tora Bora XC (que depois virou o Rapid XC, mas é o mesmo quadro), daí fui para um Giant XTC Team (ótimo e bem leve, também, com geometria que privilegia o conforto) e só saí dele para um Specialized Camber Comp porque entrei no universo full, senão estaria com ele muito bem, obrigado. A mudança do TBXC para o Giant XTC foi por causa de uma neura que me deu de diminuir peso da bike, que já passou. Se fosse hoje, não trocaria, já que as geometrias são muito semelhantes, e investi muito para tirar 300g.
      Na verdade, achamos que você está no caminho certo – se for para upar, e o quadro está lhe satisfazendo, ele deve ser a última coisa a trocar.
      Um bom grupo e pneus adequados seria a primeira mudança. Depois, um bom garfo pneumático (R7, RST F1rst). O quadro, se fosse o caso, estaria no fim da lista.

      • Marcus Vinícius da Costa

        Obrigado pela resposta! os componentes que eu uso são todas da Soul Black Rain, ou seja, de entrada (menos o câmbio traseiro, que quebrou e eu botei um Alívio). Minha primeira mudança será trocar o grupo todo por um alívio, passando das 21V atuais para 27V. Depois trocarei a suspensão mas to meio perdido. Poderia me indicar uma boa, de preferência nada muito acima de 500, 600 reiais?

        • Boa opção, do grupo Alivio. Procure comprar grupo fechado, com os freios hidráulicos.
          Garfo sugerimos a RST First. Talvez seja um pouco mais que isso (700, 800), mas é melhor juntar um pouco mais e comprar algo realmente bom.

  5. Nélio Lino - SP

    Olá, primeiramente meus parabéns pelo excelente conteúdo…não deve ser fácil se dedicar as pedalas e ainda conseguir tempo para dar atenção a todo mundo, ainda mais com esse nível de conhecimento.

    Hoje estou com uma elite 2.4 (montada) com algumas peças básicas. Fiquei na dúvida entre fazer um upgrade, comprar uma bike nova ou montar uma, e decidi montar uma 27v aro 26 (pela customização). Desisti de fazer um upgrade na minha porque acredito que depois será melhor negócio eu vender ela e não as peças.

    Minha idéia é começar a fazer umas trilhas leves (até porque meu joelho está meio detonado) e asfalto (idas a academia e ciclovias).

    Reservei já um quadro giant atx 7 tam M – 19 (se não me engano tenho sua altura 1,78 e 79 kg). Valores, nada definido, mas imagino uma faixa de R$ 3.000 ao todo (pretendo comprar as peças menores no ebay, se compensar, claro).

    Quanto ao restante da configuração eu agradeceria muito a sua ajuda sugerindo ou comentando o que tenho em mente:

    Quadro: Giant atx 7
    Suspensão: Aceito sugestões na faixa de R$ 600, mas pelo que li no outro post talvez vá de Suntour XCM V3. Se for ProSock qual recomenda?
    Aros: VZAN Extreme ou Strike, recomenda outro?
    Raios: aceito sugestões ou podem ser os indicados onde for montar.
    Cabos: fazem muita diferença? indica algum se for comprar no ebay?
    Cubos: Alivio 27 center lock ou trazer de fora deore center lock (é muito melhor o Deore?)
    Pneus: aceito sugestões
    Guidão: pensei em truvativ, mas aceito sugestões e dicas se reto ou curvo, ou do conjunto mesa, guidão e canote
    Mesa: talvez truvativ
    Canote: talvez truvativ
    Cambio dianteiro: alivio ou recomenda um melhor?
    Cambio traseiro: deore, embora no outro post você recomenda o slx, e o Deore LX?
    Cassete: shimano deore, relação 11-34 (essa relação é indicada)?
    Pedivela: shimano deore FC M 590 – 44-32-22
    Movimento central: vi uns importados no ebay ou um shimano está de bom tamanho?
    Corrente: shimano deore
    Trocadores: Shimano alivio ou deore 27v
    Freios: shimano hidraulico já comprado no ebay e a caminho, acho que o modelo m446
    Rotores: pretendo comprar o shimano rt53 center lock, ou acha melhor outro?
    Selim: aceito sugestões
    Manopla: aceito sugestões
    Pedal: acredito que aproveitarei o meu – WAW misto

    Desde já agradeço a atenção e parabéns novamente,

    Abs, Nélio
    ps.: espero que o post não tenha ficado muito grande…rs

  6. Bruno Boaventura

    Oi, estou com um quadro GT Talera, se não me engano, ano 97 de Cromoly, tamanho 17.5, usava ele com peças Altus, mas acho que até pela geometria dele as peças não davam uma boa regulagem (ao menos foi o que o dono da oficina me falava). Gosto muito desse quadro, é praticamente meu xodó e gostaria de montar uma bike para passeios apenas de rodovia, mas não sei qual peças colocar para que ele fique com uma boa regulagem. Poderia me ajudar?

%d blogueiros gostam disto: