As Ultramaratonas

Se você estar acostumado a fazer suas trilhinhas de 30, 40 km, como eu, que tenho filho, mulher e mãe para tomar conta, talvez fique pensando junto com as suas coroas qual o limite que você pode chegar…
Descontando o meu nível de treinamento, que poderia ser melhor, e o calor do verão daqui, uma trilha de 58 km já me deixa um verdadeiro bagaço. Mas como tenho mania de me testar, e também sempre acho que ter um objetivo me estimula a treinar – não para ganhar nada, só saúde – estou planejando para o primeiro semestre vir de João Pessoa para Natal, em dois dias. 170 km, mais ou menos. Lá para Abril ou Maio. Para o segundo semestre bons amigos estão me dando pilha para fazer a Estrada Real – coisa de 600 e tantos km de – argh – subidas. Mas aí talvez seja muita areia para meu caminhãozinho, vamos ver. Depende de preparo, logística e grana.



Pois é aí que a gente começa a ampliar os horizontes (literalmente – os horizontes vão indo cada vez mais para longe) e a idéia de pedalar 90, 100 km por dia já não parece loucura total, só loucura mesmo.

Então, se pedalar essa distância toda já cansa só de pensar, imagine 600, 700 km numa corrida. É. Ver quem chega primeiro. Com ponto de corte – atrasou demais, tá fora.

Então agora vamos mergulhar no universo das Ultramaratonas, com “U” maiúsculo. O sonho de qualquer ciclista amador que tenha dinheiro de mais e juízo de menos.

CAPE EPIC

ÁFRICA DO SUL
27 DE MARÇO A 03 DE ABRIL DE 2011

Considerada a maior corrida de Mountain Bike do mundo, essa corrida é realizada todos os anos, entre a última semana de março e a primeira de abril, durante 8 dias. O percurso muda a cada ano, e leva mountain bikers amadores e profissionais de todo o mundo através de aproximadamente 800 km de natureza, com 16 km de subidas acumuladas sobre algumas das paisagens mais belas da África do Sul.


A prova é casca: esse ciclista é da Elite.
Photo by Sven Martin / Sportzpics


Um visual do acampamento.
Photo by Nick Muzik/SPORTZPICS



Os ciclistas correm em duplas e devem permanecer juntos durante toda a corrida e devem passar pela linha de chegada até às 17h00 diariamente. Em cada etapa, os vencedores do dia recebem prêmios e os líderes na classificação geral recebem a camisa de líder.

Mas isso não é tudo. A prova conta com uma estrutura sensacional, o que justifica a inscrição de 3500 dólares por equipe. A organização oferece 24 horas de serviço completo durante a corrida, incluindo o alojamento em tendas, café da manhã especial e jantares, nutrição, manutenção de bicicletas, massagistas e entretenimento local específico a cada noite. Água, bebidas isotônicas e carboidratos estão disponíveis nas zonas de alimentação para reabastecer os ciclistas durante a corrida.


Você encararia essa subida (tá todo mundo empurrando mesmo...) depois de 80 km?
Fotógrafo não determinado


Resumindo, é o paraíso. Se você quiser ver alguns vídeos, no Youtube tá cheio. Mas já vai uma palhinha aí embaixo.A rota muda a cada ano, mas é sempre cheio de poeira e exigentes caminhos de cascalho, subidas de pedra extenuantes, downhills extremamente técnicos, travessias de rios e maravilhosos single tracks nas florestas.





THE LEADVILLE TRAIL 100 MOUNTAIN BIKE RACE
COLORADO/USA
13 DE AGOSTO DE 2011

Não é preciso ser um gênio em interpretação de altimetria para ver, na figura seguinte, que a Leadville 100 é para poucos.


Altimetria da Leadville 100.


O problema é que tem um monte de gente que ou é maluca ou parece não concordar com isso. E se ela acontece desde 1983, todo ano, a gente que nunca foi lá é que deve estar errado.


Largada da Leadville 100 2007.


Denominada, significativamente, “the Race Across the Sky” (A corrida pelo céu), a chamada inicial do site já diz um pouco do que lhe espera, se você resolver encarar a besta:

Determinação. Estômago. Insanidade. Se você não os tiver, pare de ler agora. Leadville não é para todos. Ela é apenas para os mais duros atletas que procuram desafiar-se – e impressionar o mundo. São mais de 4800 m de subida acumulada no traiçoeiro terreno rochoso do Colorado, onde os fortes podem até sobreviver, mas poucos vão sair com seu orgulho.

Mas, vamos lá, se você está se animando. A LV100 é uma ultramaratona em trilhas e estradas de terra no sul de Leadville, Colorado, atravessando as Montanhas Rochosas.



O curso é muito difícil, com os corredores subindo e descendo 15.600 pés (4.800 m), com altitudes que variam entre 2000 a 4000m.


É muita subida, mesmo para ciclistas bem preparados.


Por causa de sua dificuldade, é comum acontecer que menos de metade dos participantes completem a corrida dentro de seu prazo-limite de 30 horas. Ah, bom. Então menos da metade da galera lá da primeira foto chegou ao final. Bem… então não passarei vergonha sozinho né?

Veja que belas imagens nesse trailer em HD da LV100



A seguir, uma série de vídeos com Lance Armstrong, que ganhou a LV100 com um pneu furado, em 2009.






Ah, você definitivamente se animou… pois então prepare-se: o Brasil também tem sua Ultramaratona de Mountain Bike. Não é menos dispendiosa que as outras, a logística é complicada e a inscrição, caríssima. Mas pelo menos você economiza a passagem internacional…

BRASIL RIDE
CHAPADA DIAMANTINA – BA
16 A 22 DE OUTUBRO DE 2011

Com estrutura comparável às maiores Ultramaratonas do mundo, inclusive ao Cape Epic, e organizada pelo veterano ultramaratonista Mario Roma, a Brasil Ride marcou o esporte brasileiro com sua primeira edição em 2010.


A Brasil Ride nada fica a dever às maiores Ultramaratonas do mundo.


Disputada em duplas, a Brasil Ride contará com as categorias Feminino, Mista, Open e Master. O cenário é o Parque Nacional da Chapada Diamantina, na Bahia, com 152 mil hectares e altitude média entre 800 e 1.200 metros, e montanhas de até 2.000 metros.

A dificuldade do terreno é característica, e além da distãncia, um importante fator de desgaste para os bikers


A água traz vida à região, com diversas nascentes, cachoeiras, lagos cristalinos e rios avermelhados, que alimentam uma incrível diversidade de fauna e flora. Lugar perfeito para aventurar-se num mountain bike.


Um dia de chuva pode complicar bastante (ou tornar mais divertido, depende do ponto de vista)!


Não vá esperando moleza, entretanto. Cada dia de prova terá em média 80 a 100 quilômetros do mais violento mountain bike, pelos caminhos abertos no garimpo de diamantes do século XVIII. Dê uma checada nos vídeos:






Terminando, vou postar essa foto. Autor e modelo desconhecidos. Mas, convenhamos, ilustra bem o post.


Precisa dizer mais alguma coisa?



Anúncios

Publicado em 22/02/2011, em Ultramaratonas e marcado como , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. 100, 120, 150km, dá pra encarar num dia, mas no outro dia nem sentar na bike consigo!

%d blogueiros gostam disto: