Que tamanho deve ter minha bike?

Num fórum de ciclismo que participo, o excelente Pedal.com.br, uma dúvida frequente para quem vai comprar a primeira bike é o tamanho da bicicleta que irá comprar.

O ideal é ter uma idéia disso ANTES de procurar numa bike shop. O vendedor tende a empurrar uma bike que se encaixe no seu perfil financeiro (que eles avaliam com precisão) e que ele tenha em estoque.

Se for “mais ou menos o seu tamanho” eles dirão que “a bike é perfeita para você”. É tipo o que fazem as vededoras de roupas: se a calça estiver apertada elas falam “ah, mas esse tecido cede”; se estiver larga, dirão que encolhe.

Algumas empresas fazem uma associação entre tamanho da bicicleta (em polegadas, no caso de Mountain Bikes e em Centímetros no caso de bicicletas de estrada, as Speeds, que geralmente se refere ao tamanho do seat tube (o tubo do quadro onde se encaixa o canote do selim), e a altura do ciclista.

Mas a verdade é que esse negócio de comprar quadro pela altura do cidadão não é uma boa idéia, porque a bike que se adequa a um ciclista que tem pernas curtas e tronco comprido não é a mesma que uma para um que tenha pernas longas e tronco menor, embora ambos possam ter a mesma altura.

Resumindo, a bike pode ser mudada, já que existem várias geometrias disponíveis diferentes (para o mesmo tamanho de quadro, que em geral é medido pelo tamanho do seat tube), mas o corpo do ciclista não. Então, a bike deve ser escolhida em função do biotipo do ciclista e não simplesmente pelo visual ou marca.

E o jeito certo de se escolher uma bike, com a certeza de que você terá conforto ou performance, livre de lesões, dores ou dormências, é fazer um Bike Fit antes de comprar a bike. A maioria dos fitters, após a análise inicial onde você será orientado sobre o tamanho e geometria corretos para a bike que você deseja adquirir, incluem uma segunda visita, após a compra da bike, onde são feitos os ajustes necessários.

Bike Fit não é brincadeira nem exercício de adivinhação. É ciência. O fitter (profissional que faz o bike fit) deve ser preparado para o que faz. Fuja de curiosos.

Ainda tem de ser levado em consideração, principalmente no caso de MTB, o uso que será feito (recreacional, cicloturismo, competição) e o estilo do ciclista, mais conservador ou agressivo.

Acho que um bom Bike Fit, feito por um profissional é justificado pelo investimento, muitas vezes bem elevado, que é necessário para se ter uma boa bike.

Antes de fazer o Bike Fit, no entanto, sugiro você conhecer melhor a sua bike vendo os seguintes posts:

A partes de uma Mountain Bike

As partes do quadro

Uma sugestão de um bike fit virtual simples, porém eficiente e em português, feito por um colega do Pedal.com – Bike fit do Rodrigo. Não é a mesma coisa, não avalia todos os parâmetros e a medição depende de você – que não tem muita experiência. É uma ajuda, apenas, não substitui os ajustes feitos por profissionais.

Então, ao fazer o bike fit virtual, sugiro que peça a alguém para tirar em você as medidas que o bike fit solicita, tirando três vezes cada medida, com intervalo de 3 minutos entre cada medida, e fazendo a média das três.

O bike fit vai lhe sugerir medidas aproximadas de quadros que lhe são adequados. Então, passe a pesquisar na internet as geometrias dos quadros que você goste e veja o que mais da certo para seu biotipo. Se a geometria dele não estiver disponível, pegue uma trena e meça você mesmo o quadro da bike objeto de seu desejo. De posse dos resultados do seu bike fit você poderá ver se vai fazer uma boa compra.

A geometria do quadro a ser comprado deve ser toda analisada para ver se serve para você.Uma medida muito importante, o Top Tube Virtual (TTV) está no desenho representada como TTH(Top Tube Horizontal)
Fonte Kona Bikes (http://www.konaworld.com/)

Em relação ao bike fit e ao tamanho da bike, tenha em mente que mais importante que o tamanho nominal do quadro (17″, 18″) é o tamanho do top tube (tubo “horizontal”). A razão disso é que o seat tube (tubo onde é inserido o canote), que é onde é medido o quadro, como você sabe, tem uma grande possibilidade de regulagem, limitada apenas pelo tamanho do canote. Já o top tube, que determina o “overall reach”, que é a distância entre o selim e o guidon, só permite a regulagem através da mesa (80 a 120mm para XC), ou seja, mais ou menos 40 mm de regulagem. Além disso, mesas muito curtas (80) ou longas (120) podem dar problemas de dirigibilidade. Então minha sugestão é que você se guie mais pelo top tube, com uma mesa de 90, 100 ou 110mm, do que pelo tamanho do quadro propriamente dito. Colocar o selim pra frente ou para trás não é muito legal, além de que a margem para isso é mínima.

Quadros de mesmo tamanho tem top tubes diferenciados. Os mais longos (Trek, Specialized, Giant XTC) são chamados quadros racing, com postura mais agressiva. Os de TT mais curto, como o Giant XTC Team, Da Bomb, KHS e alguns da Scott, tem geometria que consideramos mais confortável, mais adequado ao uso não-competitivo.

Outro fator a considerar na geometria é o tamanho do chainstay. um 5 ou 10 mm maior pode (dependendo do material, liga do alumínio e construção do quadro) flexionar mais, que se causa uma pequena perda de potência por outro lado dá algum amortecimento e conforto, úteis depois de 30 km de trilhas ou duas horas de pedal :-).

O teste da bike tem de ser longo. Algo em torno de 20-30km. Senão, diz pouco. Por outro lado, de um 19″ para um 17″, supondo que o bike fit sugira um 18,5″ ou 19″, o que deve acontecer (é um palpite, pois não conheço a geometria das Soul) é você ficar um pouco mais ereto sobre a bike, o que lhe deixará mais confortável. É provável que dê. Eu pedalo na bike da minha esposa, um Da Bomb Rapid 17″; no meu caso, que tenho 1,78 e pernas longas, o canote fica meio no limite. Mas dá.

Lembre também que canote muito para fora (mesmo no limite dele) tende, algumas vezes, a fissurar o quadro na junção do top tube com seat tube.

Existem várias correntes e sistemas diferentes de Bike Fit. Abaixo, o vídeo do sistema Retul (em inglês):

Facebook de Bike Fitters que recomendo (passe o mouse sobre o nome para ver a cidade):

Carlos Menezes

Gabriel Ribeiro

Klenilson Nóbrega

David Taveira

Rodrigo Langeani

Thiago Ayala

Thiago Mingau

Posts relacionados:

Entendendo o Bike Fit – Não deixe de ler!
Dores após o pedal – o que será?

Para saber (muito) mais

www.bicicletaperfeita.com.br
www.studiobikefit.com.br
www.clinicafisiofit.com.br
www.biocicleta.com.br

Anúncios

Publicado em 21/09/2010, em Conheça sua Bike e marcado como , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 11 Comentários.

  1. Legal essas dicas. É bom para quem está começando a pensar no assunto, para saber quais critérios considerar na escolha do quadro. Mas faltou um pouco explicar a relação entre o top tube e a altura do ciclista ou tamanho do tronco ou tamanho das pernas… Eu imagino que o top tube deva considerar o comprimento do tronco, e o seat tube considere o comprimento das pernas. Não sabia que o tamanho nominal do quadro ser dado pelo seat tube. Não faz muito sentido mesmo… Abçs [Comentário transferido do Blogspot – Postado em 25/21/2011]

  2. Da Lama ao Caos

    Opa Bala! Obrigado pela força. Agora vamos à sua dúvida: Claro, o seu raciocínio (sobre o top tube x comprimento do tronco e seat tube x comprimento de pernas) está, em princípio, correto – mas não é uma relação simples ou direta, de calcular nem de explicar (observação: não sou especialista em Bikefit). O Bikefit é uma ciência complexa, que leva em conta biomecânica, física e parâmetros antropométricos, tudo interrelacionado, e usa fórmulas matemáticas para interpretar essa relação e a traduzir nas medidas adequadas da bike para um determinado ciclista. Por isso é uma atividade especializada, e o ideal é fazer um Bikefit com um especialista. Os melhores centros de Bikefit têm equipamentos computadorizados, onde sensores são colocados no corpo do ciclista, tudo é filmado e digitalizado para um software, que analisa os parâmetros e fornece resultados. Ao profissional, resta analisar os resultados e fazer os ajustes ou modificações na bike. [Comentário transferido do Blogspot – Postado em 25/21/2011]

  3. Meu caro, (tenho cavalo=77,5, esterno=140, braço=58). O bike fit me recomendou uma bike mtb quadro 16,51”, com selim no ajuste 68,43 e distancia entre top canote-guidon 64,25.
    Comprei uma Mountain Bike com quadro 18″ – Venzo MX-06 – Evo. Por incrivel que pareça, as medidas recomendadas foram feitas e verificadas com sucesso no quadro. Há necessidade de se trocar de quadro?

    • Oi Miguelson, obrigado pelo comentário. Em primeiro lugar, devo dizer que não sou Fitter (profissional que faz Bike Fit), nem tenho nenhuma formação da área, exceto algum conhecimento autodidata. Então, talvez não seja a melhor pessoa para tirar esse tipo de dúvida, assim, dê o desconto.
      De qualquer forma, vou tentar lhe responder da melhor maneira possível:
      Primeiro temos de considerar algumas coisas: você fez um Bike Fit Virtual (BFV) ou com um profissional? Embora o BF Virtual dê alguma noção das nossas necessidades, o BF profissional é sempre preferível, pois as medições biométricas são complexas, e nem sempre são feitas corretamente. Uma sugestão que dou, caso o BFV seja a única opção, é que outra pessoa (comprometida com o sucesso do Bike Fit) faça as medidas, cuja metodologia deve ser bem explicada a ela. Cada medida deve ser tirada 3 vezes, com intervalos de 1 minuto entre cada uma, e feita a média aritmética. Isso diminui a possibilidade de erro.
      Diferentes BFVs usam diferentes métodos. Alguns levam em conta a flexibilidade do ciclista, outros não, por exemplo. Isso também deve ser levado em consideração. Estou supondo que você fez um BFV mesmo, senão você poderia fazer esses questionamentos ao próprio Fitter.
      No seu caso, caso as medidas estejam corretas, é possível que o quadro que você adquiriu dê certo. As geometrias dos quadros são muito variáveis e a mudança de ângulos do seat tube e head tube, por exemplo, podem alterar o OVR (Overall Reach, que é o Top tube virtual + Mesa) e mesmo o sloping (inclinação do Top Tube) pode alterar o tamanho nominal do quadro por alterar o Seat tube.
      Enfim, se as medidas sugeridas pelo BF bateram (lembre-se: o tamanho nominal do quadro, no caso 16,51″, que é o tamanho do seat tube, é a medida de menor importância, pois o canote do selim permite grande regulagem nesse sentido), a minha sugestão é você pedalar. Se não surgirem dores musculares ou nas articulações (o que também pode aparecer, mesmo os ajustes estando corretos, se você não pedalava antes), creio que você possa continuar com ele até poder fazer um Bike Fit Profissional e proceder algum ajuste fino. Grande abraço e mantenha contato!

      • Ok!! Agradeço a atenção dispensada, os comentários e creio que vou fazer os testes, ate me dirigir a um bike fit pro! Valeu companheiro!

  4. klenilsonnobrega

    Gostaria de Parabenizar o Blog “Da Lama ao Caos” pela excelente qualidade do post. A sua visão com relação ao Bike Fit está bem avançada, e acredito que o post possa ajudar bastante a solucionar problemas e dar um rumo aos desconfortos que boa parte dos ciclistas sente ao pedalar. Gostaria de ficar à disposição do blog para ajudar a solucionar dúvidas e ajudar na produção de matérias dessa natureza.

    • Já está aceito, Klenilson. Caso surjam dúvidas dos leitores, encaminharemos para você. E, desde já, fica o convite: que tal uma entrevista com um vídeo de um bike fit? Acho que os leitores vão adorar.
      Abração, e parabéns pelo trabalho que vem realizando.

  5. Parabéns. Ótimo post.

  6. Bom dia pessoal DLAC,

    Alguém sabe se existe um bike fit em Recife?

    Obrigado

  7. Adorei… curtir!!!

%d blogueiros gostam disto: